Ilustração do site The Porn Conversation
Ilustração do site The Porn Conversation

A sueca Erika Lust, radicada em Barcelona, transformou a estereotipada indústria da pornografia com suas mais de 100 produções feministas e cheias de verdade. No entanto, o papel da cineasta vai além de oferecer entretenimento adulto de bom gosto e para todos os públicos. Erika e o marido, o argentino Pablo Dobner, com quem tem duas meninas pequenas, criaram um site sem fins lucrativos para orientar os pais a falarem sobre sexo com seus filhos, o The Porn Conversation.

“Uma das minhas maiores preocupações é com a educação sexual. Filmes eróticos deveriam ser assistidos por quem tem mais de 18 anos, como forma de entretenimento, não como educação sexual. A realidade é que muitos adolescentes são expostos à pornografia bem antes, e isso se torna um problema quando eles não têm acesso a fontes decentes de informação sobre o assunto”, disse Erika à jornalista Marina Monzillo em uma entrevista exclusiva para Bazaar.

“Eles copiam comportamentos, linguajar e atos dos filmes e acreditam que esse é o jeito de se fazer. A maioria assiste o pornô mainstream gratuito, porque são os de mais fácil acesso. Muitos desses filmes são imensamente problemáticos e misóginos, perpetuam a ideia de que as mulheres estão sempre disponíveis para sexo, normalizam comportamentos violentos e degradantes”, continua a diretora.

Ilustração do site The Porn Conversation
Ilustração do site The Porn Conversation

O site é em inglês e oferece ferramentas para ajudar pais e mães a abordarem o assunto com crianças a partir de 9 anos de idade. Defendem que a sexualidade seja um tema recorrente dentro de casa, quando os filhos começam a perguntar sobre seus órgãos sexuais e como nascem os bebês, porque será mais fácil quando chegar a fase de falar sobre pornografia.

A cineasta Erika Lust - Foto: Divulgação
A cineasta Erika Lust – Foto: Divulgação

Não sabe por onde começar a conversa? O site sugere alguns pontos a serem abordados:

1. Pornô não é sexo real. São pessoas atuando e nada tem a ver com relacionamentos de verdade.
2. Não é uma coisa ruim que você veja esse tipo de vídeos e filmes, mas eu gostaria que você pensasse se assiste porque está interessado(a) nisso, porque seus amigos te mandam ou porque apareceu um ‘pop up’ na sua tela.
3. Não tire a roupa para ninguém se estão pressionando você, especialmente se há câmeras. Uma vez que essa imagem é enviada de celular para celular, é impossível parar e isso vai te causar angústia. Relações eróticas devem ser totalmente consensuais, e isso significa que deve haver confiança entre as pessoas, tratar uma a outra com respeito e fazer coisas que ambas queiram. E lembre-se sempre: se em algum momento você se sentir desconfortável com o que está fazendo, você deve falar para a outra pessoa e parar.

Leia também:
Sabrina Sato e Duda Nagle revelam o sexo do primeiro filho
Dicas para resgatar a libido com aromas e florais