Silvana Tinelli – Foto: Divulgação

Com o mundo em pandemia e lockdown em março de 2021, há um ano, ela foi internada por Covid – e na UTI de um hospital, pressão caindo e pulmão cada vez mais comprometido, chegaram a pensar que talvez não resistisse. Mas uma visão mudou tudo. Dessa experiência transformadora Silvana Tinelli saiu ainda mais atenta e curiosa, disposta a escrever suas memórias que já no título revelam seu entusiasmo pela vida. Agora ela lança o livro “Meus Primeiros Oitneta Anos”, com lançamento nesta quarta-feira (17.03).

Fotógrafa, publicitária, criadora de um canal no Youtube, artista plástica, Silvana consolidou sua trajetória atuando em vários segmentos na sociedade paulistana. Chegou com a família em São Paulo no final dos anos 1950, e em pouco tempo fortaleceria vínculos com a cidade. Sua história faz parte também daquela categoria em que podemos nos inspirar: se você quer saber como reagir de forma positiva às chuvas e trovoadas da vida, pergunte à Silvana. 

Um ano depois da dramática internação por Covid, em março de 2022, ela cumpre a promessa que fez a si mesma – e o resultado é um livro de incríveis superações, em que muitas das histórias percorrem vários momentos significativos de São Paulo e alguns de seus personagens. De menina rebelde à matriarca youtuber em Alexandria, depois da separação dos pais, Silvana precisou mudar-se com as duas irmãs para a casa da avó paterna – com quem enfrentaria suas primeiras batalhas. Além de autoritária e machista, a avó proibia a visita da mãe naquela casa, e essa ausência da infância é que foi maior – maior até do que a escassez provocada pela Segunda Guerra. 

Este é um livro sobre a alegria e a abundância, mas também sobre a falta, e a capacidade que temos de inventar novos futuros e resistir. Ao chegar ao Brasil, Silvana se casaria com um italiano de Gênova, que superou vários fracassos até se estabelecer como empresário próspero em São Paulo. A história então narrada se entrelaça com a da grande família de amigos italianos, na capital paulista e também em Guarujá, que nos anos 1970 transpirava liberdade, e glamour. 

Como fotógrafa e publicitária, Silvana viveu intensamente a fase de ouro da propaganda brasileira na década de 1990 – e hoje se reinventa mais uma vez, depois de ter criado um canal no Youtube onde faz entrevistas com especialistas de várias áreas do conhecimento, além de dar dicas de viagem e receitas maravilhosas que aprendeu a fazer com outra amorosa nonna… Silvana hoje é avó de três netos, filhos de seu único filho com seu primeiro marido. 

Mas ainda que adore a convivência em família e seja a mestra na preparação de grandes eventos, de missas a gincanas, conquistou uma vida emancipada e independente. Movida à intuição, ignora preconceitos e vai recebendo o que a vida oferece com entusiasmo. Para o imunologista Roberto Zeballos, que a acompanhou na UTI com Covid, ainda que o quadro fosse gravíssimo ele estava convicto de que Silvana tinha condições de superá-lo: “ela tem tesão pela vida, e isso muda tudo”. Além do médico, familiares e amigos de várias épocas dão seu testemunho neste livro de memórias afetivas, e divertidas. 

Foto: Divulgação