Carol veste quimono e óculos,R$ 897, todos Osklen - Foto: Christian Maldonado/ reprodução
Carol veste quimono e óculos, R$ 897, todos Osklen – Foto: Christian Maldonado/ reprodução

Por Ligia Carvalhosa

A ladeira é íngreme, daquelas que, olhando debaixo, não se vê o final. Ainda assim, é de bicicleta que Carol Rios
sai todos os dias de sua casa, na Vila Madalena, em São Paulo. Há três anos, ela trocou o carro pelos pedais, e o vaivém em cima da magrela virou uma extensão dos treinos que pratica na USP ou na ciclovia da Marginal Pinheiros – em média, pedala 40 quilômetros, duas vezes por semana. Tanto que, em maio, deve participar de sua primeira competição, a Campagnolo Gran Fondo, em Nova York, na modalidade Speed.

Natural de São José dos Campos (SP), Carol faz o tipo esportista. Em outubro passado, casou-se com Fernando Simioni, campeão brasileiro de esqui aquático, em Ibiza, não somente pela beleza da ilha.“Escolhemos um lugar que ilustra nosso lifestyle: muita festa, música boa e também ideal para andar de bicicleta, são cerca de 300 quilômetros de trilhas mapeadas”, relembra ela, que, aos fins de semana, troca o agito da metrópole pelo descanso na fazenda da família do marido, em Ribeirão Preto, interior paulista.

Body, R$ 1.298, Cris Barros; saia, R$ 729, Egrey; óculos, R$ 897, Osklen; e tênis Adidas - Foto: Christian Maldonado/ reprodução
Body, R$ 1.298, Cris Barros; saia, R$ 729, Egrey; óculos, R$ 897, Osklen; e tênis Adidas – Foto: Christian Maldonado/ reprodução

“Já fui DJ profissional e viajei o mundo tocando, mas esse estilo de vida não combinava com a disciplina do esporte. Então, acabei deixando de lado para focar na atividade física”, diz ela, que também é adepta do skate. Formada em Desenho Industrial pela Belas Artes, Carol começou como cenógrafa, assinando exposições e cenários para o SPFW e para a SP-Arte, ao lado do designer José Marton.“Foi um verdadeiro aprendizado. Os desenhos são muito complexos, com acabamento impecável, que duram pouquíssimo e precisam ser montados e desmontados muito rápido.”

Da parceria, ganhou não só a experiência, mas também sua nova empreitada, a marca de móveis M ao Quadrado, lançada há quatro anos em sociedade com Marton.“Nossa ideia é democratizar o design. Queremos unir o belo ao funcional, com material bom e preço justo”, defende. Utilizam madeiras populares, como pinho e eucalipto – o conceito é valorizar o que é daqui. “Com o design, você pode fazer de tudo, é um campo de atuação muito amplo, mas tenho vontade de me dedicar ao desenho de objetos, transformar o ordinário em arte.”

Top, R$ 369, Egrey; calça, R$ 580, Lenny; e lenço Shoulder - Foto: Christian Maldonado/ reprodução
Top, R$ 369, Egrey; calça, R$ 580, Lenny; e lenço Shoulder – Foto: Christian Maldonado/ reprodução

Além da marca, Carol, 28 anos, também é sócia do estúdio de design e arquitetura O Polvo, coletivo que toca ao lado dos arquitetos Rodrigo Martins, Alexandra Albuquerque e Gabriel Valdivieso.“Criamos um espaço colaborativo para compartilhar a expertise de cada um. Acredito que, sozinhos, não somos tão bons como no coletivo.” Em um dos trabalhos que realizou com Marton, fazia assessoria para artistas plásticos, uma espécie de plataforma para viabilizar ideias.“A sensibilidade desses artistas transformou minha maneira de criar. É mais leve e livre, menos robótica”, diz ela, uma frequentadora assídua de Inhotim.“É impossível sair de lá e não começar a se interessar por arte.”

Em sua casa, livros sobre o tema e revistas de arquitetura dividem espaço com elemen tos esportivos, como os skates pendurados na parede. Móveis desenhados de próprio punho e mesas de som completam a decoração.“Somos um casal jovem que faz de tudo um pouco. Meu lema é experimentar, sempre.” E não só no décor. Seu estilo também reflete a pluralidade de gostos e inspirações.

Moça de traços fortes, cabelos pretos sempre de lado e lábios finos, pintados de vermelho, tem nos tons neutros a base de seu guarda-roupa.Vestidos fluidos, tênis, uma série de moletons e muitas pérolas (ela reuniu as gemas naturais de toda a família na sua própria caixinha de joias) convivem em sintonia. “Gosto do conforto e de roupas versáteis, que permitam movimento e mobilidade. Ao mesmo tempo, meu trabalho demanda uma estética mais elaborada, que passe credibilidade e disfarce um pouco a minha cara de menina.”A solução aparece nos acessórios, como os lenços e sapatos que mantém no escritório e incrementam o look assim que salta da bicicleta, além da coleção de óculos – truques básicos e necessários para quem leva uma rotina acelerada.