A última conferência antes do almoço (que rolou com algumas horas de atraso) contou com a presença da estilista venezuelana Carolina Herrera. Seus perfumes encabeçam a lista dos mais vendidos na América Latina e são cases de sucesso da união da indústria cosmética com a moda – a estilista desfila suas coleções na Semana de Moda de Nova York.

“Perfumes representam a essência de uma pessoa e posso dizer que homens e mulheres têm a mesma vaidade. Mas os homens, por exemplo, gostam mais de produtos assinados”, diz Carolina citando o sucesso de seus perfumes entre os homens.

Empresária bem sucedida, a designer diz que apesar de ter nascido na Venezuela se considera uma estilista americana. “Tenho uma relação muito forte com os EUA. Foi pra lá que corri quando decidi me tornar estilista”, diz.

Por sinal, assim que acabar o evento, Carolina voa para Los Angeles para assistir à estreia do filme Amanhecer – da saga Crepúsculo. “Desenhei o vestido de noiva de Bella (Kristen Stewart). Foi uma experiência interessante”.

Descontraída, a estilista disse ainda que nunca aprendeu a costurar e que não sabe nem pregar um botão. “Acho que o mais importante é ter o cuidado com as proporções, entender a forma da roupa e seu caimento. É esse olhar que conta na moda”.