Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

De músicos suspensos a volumes e curvaturas que desafiam as leis da física, tudo no desfile de alta-costura verão 2020 da Givenchy foi mágico. Clare Waight Keller soube com perfeição reproduzir as cores, formas e movimentos das pétalas de flores em vestidos volumosos e encantadores. O degradê de cores fortes a tons suaves deu a profundidade do trabalho da artista, enquanto pequenos bordados remeteram à delicadeza que só é encontrada em coleções de alta-costura.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Em meio a vestidos volumosos, a alfaiataria não perdeu seu valor e destaque para os maxi-acessórios, como cintos e brincos. Encerrando o desfile, Kaia Gerber encantou com o vestido de noiva rendado, acompanhado pelo chapéu de longas e leves abas, inspirados em criações de Hubert de Givenchy. Veja dez coisas que amamos na coleção:

A inspiração

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Para criar esta coleção, Clare se inspirou nas flores e conseguiu reproduzir com precisão não apenas seu visual, mas a textura de suas pétalas. Com diversos tipos de tecidos e trabalhados – como camadas e plissados -, Givenchy apresentou a leveza e o poder da sua fonte de inspiração.

A alfaiataria

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Apesar de dar foco para longos e armados vestidos, a marca não deixou a alfaiataria de lado. Blazers, casacos e calças andaram lado a lado às peças mais volumosas e não passaram despercebido.

A delicadeza

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Apesar de ser uma coleção que chama a atenção por seu todo, Givenchy encheu as peças de detalhes delicados que fazem toda a diferença. São texturas, aplicações de plumas e pequenas flores que lembram a beleza de se olhar um jardim com os dois focos: a distância e a proximidade.

A noiva

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Tradicionalmente, os desfiles de alta-costuras são encerrados com vestidos de noiva e, desta vez, o papel foi cumprido por Kaia Gerber, que apresentou a peça deita com uma delicada renda branca, com aplicações em 3D e decote ombro a ombro.

A homenagem a Hubert de Givenchy

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Para criar os enormes chapéus que acompanharam algumas peças, Clare Waight Keller revisitou o trabalho do fundador da maison, Humbert de Givenchy. As longas abas e sua sobreposição também remeteram a pétalas de flores.

Os pretos

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Uma série de vestidos pretos – desfilados em sequência – se destacaram por misturar os dois principais elementos da coleção: os volumes e a alfaiataria.

Os acessórios

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Cintos, tiaras e brincos – usados apenas em uma orelha – foram apresentados em grandes versões, ao invés de meros coadjuvantes de um look.

Degradê

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

O degradê foi o recurso encontrado para acrescentar profundidade às peças, além de remeter ao miolo das flores.

Os brilhos

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Seja tomando conta de toda uma peça ou em detalhes mais discretos, o brilho se fez presente em diversas situações, mas com um fator em comum: o prateado foi a aposta da Givenchy.

O cenário

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Para acompanhar as roupas e as modelos, músicos foram suspensos em pilares, criando um ambiente mágico.

Leia mais:
10 coisas que amamos da alta-costura de verão da Chanel
10 coisas que amamos da alta-costura de verão 2020 da Dior
10 coisas que amamos da alta-costura de verão 2020 da Schiaparelli