Por Sylvain Justum

O fascínio pelo futuro transporta o verão de Gloria Coelho para o ano de 2035, faz homenagem às listras ao explorar ad infinitum as tiras que a estilista tanto gosta e transporta os números 0 e 1 do sistema binário para as onipresentes estampas.

Shapes estruturados, robóticos – as meninas que sorriam no recente desfile de Resort da estilista agora caminham abduzidas, em clima espacial -, transparências localizadas e um mix de décadas dos mais inteligentes guiam a coleção.

As bocas de sino setentistas das primeiras calças de couro do desfile contrastam com as pelerines, que remetem à elegância do início do século 20.

A novidade é o material translúcido – crepe de acetato – que lhes dá forma, assim como algumas jaquetas cropped e casacos mais compridos – é lindo o branco de Alicia Kuczman.

Gloria sabe reinventar seu repertório, mesmo que o universo seja sempre o mesmo, cria desejo e abusa de shapes nada fáceis. Isso se chama identidade, e é o que faz a principal força da estilista.

São puro desejo os tubinhos rajados de zibeline, tule ou cetim, eternamente indecisos entre mostrar e esconder, assim como prometem fila as muitas jaquetinhas curtas e zipadas. Sem falar dos complementos como as meias holográficas, com efeito manchado, os anéis de quatro dedos metalizados e os sapatos coloridos com detalhe de acrílico nos saltos.

O melhor look: o vestido branco em tiras com pelerine lilás de crepe de acetato

O acessório: ficamos loucos com os anéis de metal que cobrem quatro dedos da mão!