A atriz Laura Neiva (à esq.) e Emannuelle Junqueira vestem looks do verão 2014 no ateliê da estilista - Foto:Thiago Justo/ Harper's Bazaar
A atriz Laura Neiva (à esq.) e Emannuelle Junqueira vestem looks do verão 2014 no ateliê da estilista – Foto:Thiago Justo/ Harper’s Bazaar

Por Mariana Abreu Sodré

Mais do que os festejos dos dez anos de sua marca, Emannuelle Junqueira celebra em 2013 uma vitória pessoal. Ela é a prova de que uma grife independente, com estrutura enxuta, tem, sim, seu espaço no País. Em uma visão míope, essa admirável longevidade (no mercado brasileiro, atingir uma década com saúde é conquista) pode ser creditada à segmentação. Emannuelle, afinal, é reconhecida por assinar vestidos de noivas, e, enquanto existirem amor e tradição, existirão casamentos.

Porém, os trajes das futuras esposas fazem o DNA da marca, não o seu resumo. Nascida há quase nove anos, a linha After Six – de ready to wear sofisticado, há duas estações com colaboração da estilista Simone Nunes – ganha maior atenção. A atriz Laura Neiva é uma das fãs. “Visto a marca desde 2009, adoro os vestidos mais elaborados, mas também as peças para o dia a dia. O cuidado é muito perceptível. Os tecidos são deliciosos, o design é feminino e contemporâneo”, explica a bela. Cheia de fôlego, Emannuelle comemora e diz se desdobrar para alcançar tais efeitos. “Escolhi minha profissão porque sou fascinada pela criação e pelos processos que a tornam possível”, diz a estilista.

Além de inovar nos vestidos de noivas (que tal um forro flúo para um vestido de ares folk?), Emannuelle coloca energia extra na After Six: borda pérolas em um tricô meio grunge, recria a tradicional alfaiataria, aposta no high end e em matéria-prima de alta qualidade. Assim, leva bossa para a camisaria com aplicações e cria vestidos que vão da noite para o dia, conforme o sapato escolhido. Capricha ainda nos volumes, como os dos casaquetos quadrados ou das saias e vestidos de largos plissados, nos decotes inteligentes – e zero vulgares – e assume carinho especial pelas pedrarias e acessórios superinventivos e expressivos, ótimas traduções de sua atual fase, mais livre. A estilista decidiu investir cada vez mais em seu feeling. Ato maduro e corajoso, e uma postura que fortalece também seu trabalho como figurinista.

A estreia na área foi em 2006, com a série JK, “Como figurinista, ela contribui para o conceito do projeto. Como estilista, retrata uma mulher ultrafeminina e nada frágil”, diz Vera Egito, diretora de cinema e TV, colega de trabalho e adoradora das bijoux da marca. “A Manu se envolve emocionalmente com o que faz. E eu acredito que as grandes poesias da vida só acontecem com total entrega”, filosofa Ana Cañas. A apresentadora Sarah Oliveira, amiga da estilista há anos, entrega que a emoção e a verve artística nunca foram tão presentes no trabalho de Emannuelle. “Até eu, que conhecia bem a sensibilidade dela, fico surpresa com as suas realizações”, diz. A estilista confirma. “O diálogo entre a moda e outras artes é uma necessidade para mim.” Seguindo esse instinto, junto do cenógrafo e diretor de arte Marcelo Escañuela, ela planeja o novo layout de sua loja. A ideia é instigar o sensorial. Só o endereço – nos Jardins, em São Paulo – e a essência ficam. O resto é vivo, como o enredo indie de Emannuelle. “O primeiro ateliê era no meu quarto”, lembra ela. Deu certo.