Fila final do desfile de Herchcovitch, na Oca - Foto: Agência Fotosite
Fila final do desfile de Herchcovitch, na Oca – Foto: Agência Fotosite

Por Sylvain Justum

Alexandre Herchcovitch revisita o ladylike do final dos anos 50, começo dos 60, e desconstrói símbolos clássicos da mulherzinha, bem ao seu estilo, sempre empenhado em fugir do óbvio. Sua mulher é uma Marilyn Monroe moderna, que se mantém ultrafeminina, ao mesmo tempo em que guarda um côté levemente dark, trash, que põe pimenta na imagem falsamente comportada.

Saias e vestidos pregueados pelos joelhos, bustiês cobertos de paetês, cinturinha marcada, toques militares nas parkas que a bombshell ousava jogar por cima de produções clássicas, laços falsamente românticos, que chegam a virar bolero, como no look final total pink de Daiane Conterato.

Um repertório delicioso, com ares maliciosamente intelectuais, uma tradição atualizada primorosamente. Sem falar do esperto mix de materiais, que junta tafetá com o látex dos casacos de mangas curtas, e dos ótimos acessórios, como o escarpim com base de acrílico e as bolsas saco que escondem uma alça para virarem tote. Lindo!

Clique na nossa galeria para ver looks da passarela de verão 2015 do estilista, apresentado nesta terça-feira (01.04), no SPFW: