Quem acompanha o blog da Bazaar Brasil, sabe que a trend hunter holandesa Li Edelkoort visita o Brasil na próxima semana, para realizar um ciclo de palestras na Escola São Paulo.

O projeto é uma parceria da escola com a Bazaar Brasil e a Triumph e acontece nos dias 4 e 5 de julho.

Na edição de julho da revista, você confere uma entrevista com a consultora, realizada pelo curador Ronaldo Lemos, para descobrir de onde vêm – e para onde vão – as tendências.

Aqui a gente te mostra um pequeno aperitivo. Confira:

Ronaldo Lemos: Como você descreveria seu trabalho?
Li Edelkoort: Sou, principalmente,  uma caçadora de tendências. Estudo o mundo à minha volta para poder contar aos meus clientes como será o futuro em dois ou mais anos. Sou como uma arqueóloga: coleto pedaços de informação que indicam como a sociedade está vivendo. A única diferença é que trato do futuro, não do passado. Ao colocar tudo junto, consigo identificar uma tendência. Além disso, publico revistas e faço curadoria de exposições sobre design em museus e outras instituições.

RL: O Brasil é fonte de tendências? O fato de nosso país estar na moda significa que ele pode acabar saindo de moda em algum momento?
LE: Há uma atenção sobre a cultura brasileira, incluindo sua moda, ou mesmo suas características étnicas e tradições religiosas encontradas na Amazônia. Acredito que a natureza acolhedora do povo brasileiro e seu estilo de vida desprendido é o que há de mais interessante para os outros países. A ideia de que podemos viver um “feriado todos os dias” captura nossa imaginação desde a virada do século. Esse conceito é uma das minhas previsões mais importantes e foi responsável por meu livro de tendências que mais vendeu!

Foto: Ruud/Van Der Peijl