Foto: Reprodução/Instagram/@billieeilish

“Se eu me vestir mais. Se eu me vestir menos. Quem decide o que isso me torna? O que isso significa? Meu valor é baseado apenas na sua percepção? Ou sua opinião de mim não é minha responsabilidade?”. É assim que o estilo de Billie Eilish, de apenas 18 anos,  é consolidado e se coloca como uma forma de protesto à sexualização do corpo feminino dentro e fora da indústria da música.

A declaração faz parte de um curta que é exibido durante os shows de sua turnê de estreia ‘Where Do We Go? World Tour’, para criticar as imposições de modelos de beleza às mulheres. De fato, a voz de Eilish se faz marcante não só em suas composições musicais, mas nas de seus visuais também.

O estilo de Billie Eilish

Billie usa Burberry – Foto: Reprodução/Instagram/@billieeilish

Fugindo dos clássicos padrões de objetificação do corpo feminino pelo show business, o estilo de Billie Eilish, além de se destacar por seus traços excêntricos e excepcionais e que, claramente, seguem agenda própria, também são uma forma de fazer com que as pessoas a conheçam por sua voz e por suas ideias. Isto é, evitando que ela seja minimizada às suas curvas.

Billie com look Chanel – Foto: Reprodução/Instagram/@billieeilish

O visual street genderless (urbano e sem gênero), que faz com que as combinações de suas peças sejam tão marcantes, é elaborado pela própria cantora com a ajuda da estilista Samantha Burkhart, conhecida por não possuir traços de design próprios, mas por criar composições que ressaltam exatamente a autenticidade da personalidade de cada artista. Katy Perry, Rosalía e Christina Aguilera são exemplos de estilos singulares que foram desenvolvidos pela profissional.

Billie e o irmão são fãs da Gucci – Foto: Reprodução/Instagram/@billieeilish

Ainda que, em um primeiro momento, pareça que seu estilo negue qualquer influência fashion, engana-se quem pensa que o visual não foi milimetricamente pensado para causar esse efeito. A escolha de suas roupas conversa de forma impecável com uma de suas principais influências musicais: o hip-hop. Peças largas, correntes e sobreposições fazem referência à moda utilizada entre os rappers durante os anos 1980 e 1990.

Billie adora o chapéu bucket – Foto: Reprodução/Instagram/@billieeilish

Ainda em tom nostálgico, Billie já aderiu, também, à camisetas e calças oversized com estampas de animes e chapéus bucket – que estiveram muito em alta durante o início dos anos 2000. Além disso, suas roupas contam com um forte contraste de cores, em especial do branco com o neon, que contribuem para deixar o look com um resultado que passe a impressão de ser altamente descolado e, ao mesmo tempo, feito sob medida para chocar.

Logomania marca os looks de Billie – Foto: Reprodução/Instagram/@billieeilish

No entanto, a artista não economiza no luxo e é uma das principais adeptas da logomania – uma tendência que só cresce na cultura street style. Na noite em que se tornou a primeira e mais jovem mulher a vencer as quatro principais categorias do Grammy – incluindo Melhor Artista Revelação , ela optou por um terno Gucci inspirado em pijamas com logotipos metálicos verde limão, que apareceram até mesmo em suas unhas stiletto desenhadas pela artista Emi Kudo. Além da grife italiana, outras marcas de luxo como Burberry, Louis Vuitton, Chanel e MCM já se interessaram em vestir a cantora.

No-makeup make-up 

Billie usa pouca maquiagem – Foto: Reprodução/Instagram/@billieeilish

Diferente do resto de sua aparência, o design de suas maquiagens são feitos para serem discretos – seguindo a tendência de peles naturais, leves e iluminadas que ganham força junto com o crescimento do skincare. O responsável por criar esse efeito no rosto da cantora é o maquiador Robert Rumsey.

Como Billie é vegana, Robert utiliza apenas produtos livres de componentes oriundos da exploração animal. Para preparar a pele, ele opta pelo hidratante de leite da Milk e aplica corretivo e bronzer (Milk Baked Bronzer) da mesma marca para fazer o contorno do rosto.

Sua make também conta com iluminador, da Milk, e máscara à prova d’água da Kush (mantendo os cílios bem separados). Para finalizar, ele preenche a sobrancelha da cantora com o lápis Benefit’s Precisely e penteia os fios na direção natural de seu crescimento.

Corte mullet acidental

Corte tipo mullet – Foto: Reprodução/Instagram/@billieeilish

Antes de chegar na icônica raiz verde neon, Billie já havia apostado em uma série de outras cores. Platinado, cinza, branco, roxo, azul, lilás, azul escuro, azul claro, preto azulado, preto e marrom (uma peruca para o clipe de ‘Xanny’). As transformações são tantas que muitos nem mesmo sabem que a cor natural de seus fios é o loiro – o que contribui para que a mudança recorrente de de tons seja mais fácil.

Além das cores, a artista resgatou um corte retrô que foi muito popular durante a década de 1980: o mullet. No entanto, apesar de ter se tornado tendência, o visual foi adquirido acidentalmente após experimentar um corte químico (normalmente causado por químicas muito agressivas ou quando são deixadas por tempo demais nos fios.

Blōhsh


Pinterest
Billie Eilish by Takashi Murakami para a revista “Garage” – Foto: Divulgação

Após lançar uma coleção de roupas em colaboração com Takashi Murakami, inspirada em seu videoclipe de “You Should See Me in a Crown”, não demorou muito para que a artista revelação desenvolvesse sua própria marca. A linha de produtos promocionais se chama Blōhsh e, no site, é possível encontrar peças desenhadas por ela.

Fun: estampas do desenho animado “As Meninas Superpoderosas” – Foto: Reprodução/Instagram/@billieeilish

A forma em que usa da moda para experimentar novas combinações de peças que, normalmente, não funcionariam juntas e que pouco se contextualizam é a própria tendência que ela cria e deixa como legado para que as futuras gerações de mulheres possam explorar cada uma das camadas de roupas e escolher verdadeiramente aquelas que querem manter e as que desejam despir.