Bruna Botti - Foto: Victor Daguano
Bruna Botti – Foto: Victor Daguano

Por Ligia Carvalhosa

É na mistura de texturas e materiais, como telas, couros exóticos e pelos, que Bruna Botti encontrou o caminho para lançar sua marca de sapatos artesanais e ultrafemininos. “Valorizo o conforto, revisitado em modelos que se adaptam a qualquer humor”, diz ela, que veste mulheres de estilos tão distintos quanto as matérias-primas usadas na confecção de cada calçado. Suas criações são daquelas que cativam pela aparência e fidelizam pela qualidade. São peças raras, com produção limitada. “Não sigo tendências de moda. Sapatos são feitos para durar e não quero que sejam datados.” Ao todo, ela produz duas coleções por ano, com 20 pares de cada modelo. Em vez de temas, novas leituras de um mesmo conceito – uma mesma forma, com diferentes cores e materiais.

E é justamente essa proposta que faz Bruna fugir dos padrões. “Acabamos de lançar o e-commerce e, assim, consigo atender melhor a demanda de outros Estados, sem correr o risco de crescer e difundir a marca a ponto de perder nosso DNA.” O próximo passo é a venda em multimarcas, mas a seu modo. “Quero criar pares específicos para cada loja. Sapatos exclusivos que conversam com as demais peças à venda.”

Foto: Victor Daguano
Foto: Victor Daguano

Formada em Moda pela Santa Marcelina, essa paulistana de 32 anos percebeu desde cedo que seu gosto estava mais para acessórios do que para roupas. Ainda na faculdade, seu primeiro estágio foi com a designer de sapatos Paula Ferber. De lá, passou cinco anos na Tao Galeria, bureau de criação de Martha Ribeiro, com clientes como Mundial, Capodarte e NK Store, e também integrou as equipes de Alexandre Birman e Zefferino. “Sabia que queria abrir meu negócio, mas precisava de experiência. Minha vontade era entender a diferença entre criar sapatos populares e pares de luxo. Trabalhei com o grande, o médio e o pequeno e entendi que havia uma fatia pouco explorada do mercado, faltava algo com design, qualidade, materiais primorosos e, ao mesmo tempo, acessível.”

Nascia assim, em 2011, a Botti, com modelos que variam entre R$ 400 e R$ 900. E o que começou sendo comercializado em eventos fechados na casa de amigos ou restaurantes e via Facebook, logo caiu no boca a boca. Com isso, Bruna se viu obrigada a avançar e abriu loja própria. “Entregava meus sapatos na casa de cada cliente e não queria perder esse vínculo. Precisava de um lugar que fosse a extensão dessa relação, que passasse a mesma sensação de conforto e aconchego que busco em minhas criações.” Encontrou numa charmosa casa, no número 90 da Rua Lupércio de Camargo, nos Jardins, o espaço ideal, e, em 2014, abriu as portas para o público. Na primeira sala, a loja. Nos fundos, espaço para receber eventos culturais, lançamentos e araras de outras marcas – caso da Etoiles, de Helena Sicupira, com quem Bruna lançou sua primeira parceria. Hoje, as duas, amigas desde a época de escola, já assinaram cinco coleções criadas a quatro mãos.

Parcerias, aliás, é algo que se pode esperar da Botti. Depois de pares de sapatos desenhados com a designer de superfícies Ana Cesar e com a blogueira Anna Fasano, Bruna está desenvolvendo uma coleção de bolsas com Manuela Rodrigues, da Cabana Crafts. Bazaar já aguarda ansiosamente!