Cara Delevingne - Foto: Getty Images
Cara Delevingne – Foto: Getty Images

No início desta semana, Cara Delevingne divulgou em sua conta do Instagram a venda de moletons estampados com a frase The Future is Female, por US$ 40. Na legenda, ela disse: “Muitos de vocês têm me perguntado onde encontrar um desses, então eu decidi vendê-los.”

Estaria tudo bem, se não fosse pelo fato da modelo ser oficialmente acusada de plágio por isso. Explicamos: a frase original foi registrada, em 1972, como lema da Labyris Books, a primeira livraria feminista de Nova York. O estúdio varejista de design, que tem sede em Los Angeles, Otherwild, tem autorização oficial para reproduzir a frase em camisetas que vende por USD 30. St. Vincent, namorada de Cara, deu uma dessas para ela poucas semanas atrás. A modelo, por sua vez, postou uma foto no Instagram usando a t-shirt, e, na sequência, recebeu muitos elogios pela mesma. Daí a explicação para a legenda na imagem publicada pela britânica nesta semana, citada acima.

A Otherwild, claro, não ficou nem um pouco feliz, nem as consumidoras da marca, que trataram de protestar nas redes sociais: “Parece que Cara Delevingne decidiu copiar a #Otherwild sem permissão ou aviso, e está fazendo itens #thefutureisfemale por conta própria”, disseram eles. E continuaram: “Não há política, ética ou respeito com os princípios legais. Nenhum sentimento de vergonha, nenhuma consideração feminista sobre a propriedade da empresa. É assim que você apoia uma causa? Este não é o futuro do sexo feminino.”

Para amenizar a situação, a atriz completou sua legenda afirmando que toda renda obtida com as vendas das blusas será revertida para a Girl Up. Parece que ser um ídolo das massas e fenômeno das mídias sociais não é garantia de nada, ou de quase nada, em se tratando de assuntos jurídicos.