Cinco marcas brasileiras que investem na produção e consumo sustentável

Descubra grifes que estão repensando formatos

by redação bazaar
Skazi - Foto: Divulgação

Skazi – Foto: Divulgação

A indústria da moda é uma das que mais poluem o mundo. Por isso, repensar os métodos de produção nesse mercado é algo imprescindível para garantir a saúde do planeta. Mas, ainda assim já é possível consumir roupas e acessórios de maneira mais consciente, apostando em marcas com atitudes que reduzem o impacto que elas podem causar.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Selecionamos cinco marcas brasileiras que começaram a demonstrar sua preocupação com a natureza e merecem reconhecimento por visar um mundo melhor:

Skazi

Thássia Naves veste Skazi - Foto: Divulgação

Thássia Naves veste Skazi – Foto: Divulgação

Há cerca de um ano a marca mineira de moda vem incorporando cerca de 3000m² de um terreno localizado ao lado do atual parque fabril. A construção do complexo tem como objetivo potencializar o consumo e o abastecimento de energia renovável utilizada no processo produtivo das peças, garantindo a obtenção de mais benefícios socioambientais.

A implantação de um sistema de geração solar já foi concluída. Ao todo, 2.210m² de painéis fotovoltaicos serão capazes de suprir 100% a demanda energética gasta nas operações da fábrica e ainda ofertar 25% para a companhia de abastecimento do estado. Ainda entre as iniciativas sustentáveis da Skazi está a reutilização de 90% de toda a água usada no interior do complexo, o que representa uma economia mensal de 400 mil litros.

Loft 747

Loft 747 - Foto: Divulgação

Loft 747 – Foto: Divulgação

Desde o ano passado, a marca de ready to wear feminino trabalha com uma linha Eco em parceria com a empresa fornecedora têxtil. Sua Life Collection possui peças feitas com tecidos 100% sustentáveis que chegam à consumidora final com a tag semente, que pode ser plantada e se transforma numa linda flor. O objetivo é sustentar relações cada vez mais transparentes e confiáveis entre consumidor e fornecedor.

 

I Bag You - Foto: Divulgação

I Bag You – Foto: Divulgação

Seguindo o conceito do consumo inteligente, a I Bag You movimenta o mercado das bolsas de luxo indo contra o consumo desenfreado que existe hoje em dia, a partir de aluguel das peças. O conceito de e-commerce voltado apenas para a locação revela o lado cosmopolita e dinâmico de São Paulo e seus habitantes, propondo uma nova e sustentável maneira de consumir moda, colocando em uso peças que ficariam guardadas no closet, além de diminuir o consumo da compra.

Patricia Viera

Patricia Viera - Foto: Divulgação

Patricia Viera – Foto: Divulgação

Patricia Viera, marca que é referência no segmento do couro, passou a aliar a moda sustentável à sua produção. Pensando em um menor desperdício, a marca passou a fazer reaproveitamento das sobras de materiais gerada e empregando uma produção mais consciente para suas coleções. No último lançamento da marca, as sobras foram transformadas em belíssimos mosaicos, eliminando em quase 100% o descarte de materiais.

Eduarda Galvani

Eduarda Galvani - Foto: Divulgação

Eduarda Galvani – Foto: Divulgação

Desde fevereiro, o ateliê, em parceria com a ARCO Eco, empresa que faz a gestão de resíduos nos estabelecimentos de Porto Alegre, vem gerando uma consciência maior promovida a partir da necessidade do descarte correto dos tecidos que sobram na produção de suas peças. O material é recolhido e destinado ao projeto Envolva-se, do SESC-RS. O programa tem por propósito educar organizações e pessoas através dos princípios da sustentabilidade, gerando trabalho e renda.

Além do descarte e reaproveitamento dos resíduos de produção, todo o lixo produzido pelo Eduarda Galvani Atelier também será repassado para cooperativas que fazem a separação do lixo seco e compostagem do lixo orgânico. Dessa forma, visa-se diminuir a chegada de todo o lixo em aterros da cidade gerando o mínimo de impacto possível para o meio ambiente.

Leia mais:
Três marcas de moda praia que vão incrementar o verão 2020
Três marcas de moda que dão novo sentido ao consumo e à produção
Cinco coisas que você precisa saber sobre a slow beauty