Por Sylvain Justum

Apesar da resistência dos fashionistas quanto à presença de uma marca como a Coca-Cola Clothing no line-up – suas roupas dificilmente chegam às ruas, já que poucas são produzidas no pós-desfile -, a verdade é que a prima da Colcci – pertence ao mesmo grupo, o AMC Têxtil – faz direitinho a lição de casa.

As peças tem bom acabamento e seguem o fluxo das tendências com certa competência. Estão lá o bustiê e o esporte, por exemplo.

Descontados alguns deslizes de modelagem e bobagens como recortes fora de lugar e a família jeans grafitada, vale destacar o bom jeans clarinho, quase branco, do início do desfile – reveja o look de Aline Weber -, o look de parca utilitária nude usado com microssaia plissada, os ziguezagues étnicos aplicados no moletom cinza e peças isoladas no bloco no qual reinaram zíperes e geometrias – a entrada de Fabiana Mayer, com vestido e jaquetinha amarelos.

O print multicolorido do final funcionou melhor no vestidinho zipado da penúltima entrada.

O melhor look: Aline Weber, de macaquinho e maxicolete de jeans clarinho, logo na abertura.

O brinde: A primeira fila saiu feliz da vida com o bonito fone de ouvido que a marca distribuiu.