Lenço da Peone, uma das marcas integrantes da Com Bossa – Foto: Reprodução/Instagram

A paixão pela cultura nacional nasceu em família, embalada por canções da Bossa Nova nas tardes de domingo. Reunidas com a avó, uma mulher à frente de seu tempo, as irmãs Marina e Gabriela Saadia aprendiam e trocavam referências sobre arte, moda e decoração, sempre encantadas com a exuberância e a beleza das criações de autores brasileiros famosos ou nem tanto. Dessa herança afetiva surgiu o Com Bossa, uma curadoria de moda dedicada a descobrir, revelar e fazer brilhar marcas em desenvolvimento.

Com a missão de inovar, surpreender e explorar os mais diferentes estilos e tendências da moda, o trabalho do Com Bossa envolve três momentos: pesquisas minuciosas, para captar marcas nacionais novas, cheias de brasilidade e com práticas responsáveis; parcerias que são estabelecidas com as marcas garimpadas, possibilitando que elas alcancem muito mais visibilidade e resultados no mercado; e divulgação no Instagram do Com Bossa valorizando as peças apresentadas.

Em apenas três meses, a curadoria, lançada no meio da pandemia, viu o número de seguidores e de parcerias triplicar. Com um crescimento de mais de 180%, o Com Bossa trabalha com marcas como a Chatz Jewelry, Peone, Le Shay, Aquarius, Mimi e Ila Beachwear.

O sucesso da iniciativa está apoiado na ideia de crescimento mútuo e, por isso, o Com Bossa está sempre aberto a testar formatos de parceria “sob medida”, que atendam às peculiaridades e objetivos de cada marca. Algo que nunca muda, porém, e que está no coração do projeto, é a busca por empresas alinhadas ao slow fashion, que sejam preocupadas com a sustentabilidade de todo o processo produtivo e estimulem um jeito de se vestir plural, humanizado e livre dos padrões dominantes de consumo e de aparência.

Os próximos passos? Para o futuro o Com Bossa deseja consolidar o lugar único que já conquistou, de influenciador que dá voz aos pequenos e empreendedores da moda brasileira. Quem seguir, verá.