Eddie Redmayne como Lili Elbe, em A Garota Dinamarquesa - Foto: reprodução
Eddie Redmayne como Lili Elbe, em A Garota Dinamarquesa – Foto: reprodução

Por Luísa Graça

Começa com uma meia-calça. Para acabar de pintar um quadro no prazo, Gerda Wegener pede ao marido que pose no lugar da modelo, que está atrasada. Vestir um par de meias finas, elemento tão feminino e sensual, desperta nele algo adormecido há tempos e desencadeia a compreensão de sua identidade de gênero como mulher. Em A Garota Dinamarquesa, filme baseado em fatos reais, Eddie Redmayne é o pintor Einar Wegener, transexual pioneiro, que se tornou Lili Elbe nos anos 1920.

“Roupas são desenhadas para o gênero.Essa é a primeira coisa que tem a finalidade de nos definir”, explica o espanhol Paco Delgado, figurinista do longa. Antes de conhecermos Lili e seus vestidos inspirados nas criações de Jeanne Lanvin, vimos Einar e seus ternos pesados, com colarinhos engomados. “Funcionam como uma proteção contra o mundo, mas também encarceram emoções”, diz ele, que já vestiu o elenco de Os Miseráveis.

Eddie Redmayne como Lili Elbe, em A Garota Dinamarquesa - Foto: reprodução
Eddie Redmayne como Lili Elbe, em A Garota Dinamarquesa – Foto: reprodução

O filme segue e Lili emerge como musa para as pinturas de Gerda. As duas se mudam para Paris, onde surgem cores mais efervescentes e roupas mais liberadoras, com movimento e silhuetas retangulares, tanto no guarda-roupa de Lili quanto no de Gerda (Alicia Vikander, em atuação primorosa). Para transformar Redmayne, o espanhol trabalhou com a maquiadora Jan Sewell, mas não recorreram a próteses ou enchimentos para torná-lo mulher. Usaram um espartilho. O fato de a silhueta feminina dos anos 20 ser reta, sem ênfase nos seios e quadris, foi vantajoso.

O figurino mais importante do filme na visão de Paco é, entretanto, um terno marfim acinturado, com detalhes em lilás. Andrógino. O look rende uma surra à personagem de Redmayne e põe em perspectiva o quanto a moda gerava reações drásticas. A Garota Dinamarquesa tateia, sim, questões densas, mas não deixa de refletir o poder de uma simples peça de roupa.

Leia mais: E o nosso Oscar vai para…