Lolita Jacobs - Foto: reprodução
Lolita Jacobs – Foto: reprodução

Por Ligia Carvalhosa

Aos 14 anos, ela deixou a educação formal para estudar artes. Aos 23, já havia desfilado para Burberry e Jacquemus e estrelado campanhas da Opening Ceremony. Além de estampar páginas do blog de Garance Doré. Hoje, aos 27, Lolita Jacobs é a nova diretora de estilo da Courrèges, ao lado de Sébastien Meyer e Arnaud Vaillant, recém-anunciados diretores artísticos da casa. A história desta parisiense com a dupla começou há cinco anos, quando assumiu o posto de musa e consultora da Coperni Femme, marca que viu na combinação entre minimalismo e tecidos tecnológicos a equação do sucesso.

Lolita Jacobs - Foto: reprodução
Lolita Jacobs – Foto: reprodução

“Quando eles se mudaram para a Courrèges, segui-los foi um passo natural. Trabalhamos juntos em todo o processo criativo, pensamos na identidade da marca e no styling, é claro”, explica. É que Lolita é um tipo diferente de musa – ela coloca a mão na massa. Formada em Moda pela Central Saint Martins, já trabalhou na concepção de campanhas, desfiles e branding para o estúdio de direção de arte Franck Durand. Também já assistiu a uma turma de renomados stylists em seus anos de formação, na Inglaterra. “Morei em Londres por quatro anos, adoro a cidade. A energia criativa é muito forte, os britânicos têm espírito livre e aceitam tudo em termos de estilo.”

Lolita Jacobs - Foto: reprodução
Lolita Jacobs – Foto: reprodução

Típica representante da nova nonchalance parisiense, é daquelas que amam os clássicos, mas não dispensam novidades. Contrastes são necessários, ainda que discretos, quase naturais. “Gosto de peças justas ao corpo, mas não sexy, que carreguem algo de masculino, já que meu estilo é feminino o suficiente.” Estilo que vem aprimorando desde a infância, ao lado da avó. “Ela tinha muito bom gosto, me lembro de passear pelo seu closet recheado de vestidos Chloé by [Karl] Lagerfeld e bolsas vintage da Chanel.”

Lolita Jacobs - Foto: reprodução
Lolita Jacobs – Foto: reprodução

Obcecada por revistas e imagens, e pela estética de Steve McQueen e Paul Newman, elegeu uma camisa Coperni Femme e botas   como uniforme do dia a dia.“Meu trabalho pode seguir a mesma estética, mas acho que meu gosto criativo pode ser mais delirante.” A inspiração vem dos filmes a que assiste à exaustão e das visitas ao mercado de pulgas de Saint-Ouen. E também das viagens, principalmente para Tóquio, destino recorrente a cada ano – muitas vezes, na companhia do namorado, o diretor de arte Jean-Baptiste Talbourdet. É com ele,inclusive, que planeja abrir seu novo business. “Nada concreto ainda, no momento acabei de entrar na Courrèges, mas é, sem dúvida, um plano para um futuro próximo. Gostaríamos de juntar nossas forças e abrir uma empresa criativa. Ele é muito bom em design gráfico e eu, em estilo.” A empreitada promete!