Destaque nos ombros: entenda a simbologia por trás da tendência
Balenciaga – Fotos: Divulgação/Getty Images

Sabe o revival dos anos 1980 – que a moda vive intensamente há pelo menos cinco anos – e que resgatou a exuberância, a memória afetiva dos vintages e os signos do levante feminista? A tendência segue em alta com diferentes contornos desde que foi desengavetada, na coleção de inverno 2016 por Demna Gvasalia, quando estreou como diretor criativo na Balenciaga. Aquela estação, trouxe a estética oversize de volta, com ares cartunistas. De lá para cá, variações sobre o tema não deixaram de ser exploradas, e opções volumosas de ombros não faltaram nas araras e passarelas. Este símbolo máximo da década de 1980 referenciou de forma quase exaustiva as mentes criativas das mais importantes casas de moda do mundo e logo dominou as lojas de fast fashion.

SIGA A BAZAAR  NO INSTAGRAM

Mas por que requentar tal trend agora? Em meio ao caos pandêmico, transferir o ponto focal para os ombros tem uma série de simbologias. Historicamente, vestidos enormes em camadas e mais camadas de tecidos, golas fechadíssimas e altas dos séculos anteriores ao 20, sempre foram associados a poder. Era por meio da imagem adornada por excessos que rainhas e princesas afugentavam a plebe e os inimigos, um
artifício usado desde os primórdios da sociedade. Músculos superiores avantajados no corpo masculino, hoje retratados em esculturas da Antiguidade, traziam a ideia de conquistas e de vitórias nas guerras. Estufar braços com tecidos e, consequentemente, os ombros, foi a estratégia encontrada pela realeza para reproduzir o status de superioridade.

Destaque nos ombros: entenda a simbologia por trás da tendência
Maison Margiela – Fotos: Divulgação/Getty Images

E o que isso tem a ver com o momento atual? A necessidade de distanciamento social, tendo a ciência à frente, provoca a união de códigos milenares e joga os holofotes para a urgência de proteção. Aguça a necessidade de expressão que a moda buscou em diferentes passados, com sutileza e precisão e, às vezes, humor, elementos estéticos que sugiram segurança. Logo, levantar ombros a fim de criar um escudo, mesmo  que imaginário, dá vida e voz ao desejo coletivo.

Destaque nos ombros: entenda a simbologia por trás da tendência
Balmain e Givenchy – Fotos: Divulgação/Getty Images

Foi a vez de casas como a Balmain, conhecidíssima por abusar dos excessos oitentistas, trazer sua versão punk quando opta por espetos nos ombros. Eles se repetem ao longo da coleção em propostas das mais às menos usuais: t-shirts e blazers ganham esse item espinhudo no combo feroz de looks amarrados pela sensualidade. Matthew Williams, em sua estreia como diretor criativo da Givenchy, usa do recurso pontudo nos ombros em capas de couro semelhantes às de gladiadores. Ou até mesmo quando olha para a natureza, e identifica na flora e fauna um shape para defender-se de predadores. A força presente na imagem refletida pelo visual soma-se ao apelo por esperança que existe internamente em cada um de nós. Um balanço fashion que se conecta com os desejos da clientela, sem deixar o sonho e o luxo de lado.

Destaque nos ombros: entenda a simbologia por trás da tendência
AZ Factory e Moschino – Fotos: Divulgação/Getty Images

Mas nem tudo são espinhos. Existe uma brecha romântica nesta tendência. A estreante AZ Factory e a sempre bem-humorada Moschino estufam tecidos e dão amplitude à silhueta – reforço claro da necessidade de distanciamento.

Destaque nos ombros: entenda a simbologia por trás da tendência
Rick Owens e Yohji Yamamoto – Fotos: Divulgação/Getty Images

Yohji Yamamoto opta por destacar os ombros em uma leve moulage embabadada. Rick Owens comprime esses desejos de forma lúcida e translúcida, com organzas suaves personificando a estética de forma até poética. Afinal, a moda também tem suas armas.