Foto: Harper's Bazaar UK
Foto: Harper’s Bazaar UK

Vivemos um tempo de profundas transformações e a moda, é claro, não está imune a essas mudanças. Ser uma mulher fashion hoje é muito mais do que estar antenada com as tendências das últimas semanas de moda ou ter um guarda-roupa repleto de peças das grifes mais hypadas. Para Rachel Jordan, consultora de moda, imagem e comportamento, fashion hoje é ser consumidora consciente, que se preocupa com a maneira como cada peça foi produzida e que tipo de impacto cada uma delas pode causar ao meio ambiente.

A especialista ressalta que o conceito de moda evoluiu e expandiu seus horizontes. E nesta avalanche de novos conceitos a moda reciclada se tornou protagonista. Vai dizer que você não pensa duas vezes antes de comprar uma peça nova ou dar uma passada naquele brechó ou bazar super badalado que tem peças incríveis, super novas e que podem ter um novo significado no seu armário? Mulheres que são verdadeiros ícones de moda e beleza não cansam de declarar – ou postar em suas redes sociais – peças lindas compradas em algumas dessas chamadas redes alternativas.

Rachel Jordan lembra que até bem pouco tempo, tudo se resumia a uma única linha de consumo. Se quiséssemos ou precisássemos comprar uma roupa, íamos direto a uma loja específica que nos acenasse com aquele objeto do nosso desejo. Quando podíamos imaginar que antes de consumir qualquer peça nos daríamos ao trabalho de questionar como ela teria sido produzida? Pois é, mas nós, consumidoras conscientes, estamos cada vez mais preocupadas em como as roupas estão sendo feitas, por quem e em que condições.

Foto: Bert Sivakorn para Harper´s Bazaar Tailândia
Foto: Bert Sivakorn para Harper´s Bazaar Tailândia

Na década de 1970 existia no Rio de Janeiro uma loja chamada  LIXO, em Ipanema, frequentadas por pessoas descoladas e moderninhas da época. Ali, só era possível comprar  peças jeans customizadas ou reestruturadas. Hoje, esse tipo de venda se chama upciclyng, ou reuso criativo. Pois é, o que naquela época podia parecer estranho, hoje é super trendy e cool.

A preocupação com sustentabilidade e a noção de que a indústria da moda é a segunda maior poluente no mundo, só ficando atrás da do petróleo, alertou o mercado para os famosos brechós. Roupas usadas e antigas se tornaram as famosas “roupas vintage” atuais, e a maioria das fashionistas possui pelo menos uma peça em seus armários.