Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram

É um fato: 2016 é o ano de Ashley Graham. Além de lançar sua linha própria de lingerie especializada em tamanhos grandes, a modelo de 28 anos se tornou a primeira plus size a aparecer na capa da edição de traje de banho da Sports Illustrated. Se impondo contra os body shamers, Com atitude firme diante dos body shamers, ela se tornou porta voz do movimento #BeautyBeyondSize (beleza além do tamanho, em tradução livre). Em carta aberta publicada no site de Lena Dunham, Lenny Letter, a modelo revela sua relação com o seu corpo.

“A realidade é: eu não emagreci no último ano. Na verdade, eu estou pesando mais do que pesava há três anos atrás, mas aceito ele da maneira que ele é hoje”, revela sobre os boatos que circulam online sobre ela ter perdido peso depois da fama. “Eu malho para melhorar a minha saúde, e, se eu quiser perder peso, essa será uma decisão própria”, adiciona.

Muitos dizem que não se deve ler os comentários nas redes sociais, mas Ashley confessa que isto é algo que simplesmente não funciona para ela. “A mídia online me deu uma voz e me permitiu militar pelo o que acredito. Sem ela eu não conseguiria construir a iniciativa #BeautyBeyondSize. Meus seguidores são os primeiros que me auxiliam nas coisas que eu faço”, conta sobre a força que adquiriu em seu Instagram, que já conta com 2 milhões de seguidores.

Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram

“Para algumas pessoas, eu sou muito curvilínea. Para outras, muito alta, muito peituda, muito expansiva e agora, sou muito pequena. Quando posto uma foto em um certo ângulo e pareço menor, as pessoas me acusam de estar cedendo ao padrão. Quando mostro minhas celulites, elas me criticam por promover a obesidade”, desabafa. “Este ciclo de body-shaming precisa terminar. Não aguento mais isso“, finaliza.

“Estou aqui para qualquer mulher que não se sinta confortável com sua aparência, e precise de um lembrete de que seu corpo é sim lindo. Me orgulho de poder dar visibilidade e espalhar o conceito de positividade corporal e de alguma maneira trazer mais diversidade para indústria da moda”, conta orgulhosa.