Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

O estilo da Emily Ratajkowski é, provavelmente, um dos visuais de celebridades em que é possível enxergar com mais nitidez o reforço da controversa cultura do padrão estético  – que literalmente persegue tantas mulheres ao redor do mundo. No entanto, a modelo conseguiu encontrar uma alternativa no ativismo para fazer com que o conceito pudesse, de forma pioneira, trazer mais liberdade às mulheres – tanto sobre seus corpos, quanto sobre a maneira como  exploramos nossa sexualidade por meio das vestimentas.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Apesar da fama só ter de fato chegado após sua aparição no vídeo musical da canção “Blurred Lines”, Emily já havia trabalhado como atriz em alguns filmes e séries, mas resolveu deixar a carreira de lado exatamente porque sempre acabava sendo escalada para papeis que só servem para reforçar ainda mais os estereótipos femininos. Patricinhas, líderes de torcida e garotas “malvadas”. Parecem encaixar com sua aparência, certo? Bom, não deveria. E esse é o ponto que ela busca provar ao ser seletiva com os trabalhos nos quais usa sua imagem.

Foto: Reprodução/Instagram/@emrata

Mesmo assim, como um dos maiores símbolos sexuais da atualidade, a exploração de sua sensualidade – que é reforçada pelo uso de peças coladas e de decotes profundos, por exemplo – está longe de ser um problema para ela. Feminista ativa, a modelo tem se mostrado como uma voz capaz de levantar debates sobre a censura velada que existe dentro do vestuário feminino, que determina quando e onde uma mulher deve usar determinada peça, com qual finalidade e com quem ela pode fazer isso.

O discurso de Emily fala, muitas vezes, por meio de suas escolhas de roupas que, ao mostrar mais, também evidenciam como o corpo feminino pode ser contemplado, mas não está disponível para uso de terceiros. Ou seja: pouco tecido passando a ser sinônimo de muito domínio da sob a própria pele.

O estilo de Emily Ratajkowski

Foto: Reprodução/Instagram/@emrata

Uma das composições mais conhecidas da modelo é o combo minissaia e blazer oversized. Com cores inspiradas na paleta de tons pastel da coleção de verão 1996 da Chanel, ela resolveu expandir sua label “Inamorata”, que até então só trabalhava com moda praia, e criou versões mais “hot” para a clássica alfaiataria. E o resultado da inovação não poderia ser diferente: todas as peças esgotaram dentro de poucas horas.

Foto: Reprodução/Instagram/@emrata

Vestidos bem sensuais e quase sempre com um ar de “frescor” também fazem parte de seu guarda-roupa. O tecido de cetim, que é bastante remetido ao modelo slip dress, aparece com uma certa frequência em suas aparições públicas e em suas fotos nas redes sociais.

Foto: Reprodução/Instagram/@emrata

Uma das apostas mais claras do estilo da Emily Ratajkowski é o vintage mais focado na década de 1990. O  resgate ninety aparece em diversas peças que vão desde as regatas de alça bem fininha, aos jeans de cintura baixíssima fazendo par com cropped tops de diferentes modelos – focando naqueles com amarrações que ajudam a marcar ainda mais sua silhueta.

Ainda relacionado ao vintage – já há alguns anos em alta por conta da onda de slow-fashion que cresce ao redor do mundo acompanhada por uma maior conscientização sobre os impactos de peças pouco sustentáveis no meio ambiente, Emily já provou que pouco se importa em repetir peças.

Foto: Reprodução/Instagram/@emrata

A modelo já foi vista diversas vezes reutilizando alguns de seus tênis e calças favoritas, o que é de surpreender, principalmente quando se trata de uma celebridade tão intrinsecamente vinculada ao mundo da moda. Mesmo assim, peças mais em conta também a atraem: ela já investiu em vestido da Zara de apenas US $ 50 para participar da festa anual Bazaar Icons durante a semana de moda de New York.

Ratajkowski fez seu debut profissional no universo fashion como modelo de passarela para Marc Jacobs na New York Fashion Week, em 2015. Depois disso, desfilou na passarela da Paris Fashion Week para Miu Miu e na Milan Fashion Week para Bottega Veneta, Dolce & Gabbana e Versace.

Ela também é porta-voz de grandes marcas como DKNY, The Frye Company, Kerastase, Paco Rabanne e DL1961. Emily também é responsável por estrelar uma das mais recentes coleções da Nasty Gal, fundada pela empresária Sophia Amoruso.