Estruturas vazadas - Foto: Agência Fotosite
Aposte no contraste entre pele e tecido – Foto: Agência Fotosite

Por Luigi Torre

Nesta temporada, a renda sai de cena e dá lugar a transparências mais fortes e modernas. Pense nos vestidos gladiadora de couro vazado de Altuzarra, nas estruturas em grade de Olivier Rousteing para Balmain e nas redes de techno-couture de Alexander Wang, na Balenciaga. Construções que não passam nem perto das propostas românticas de temporadas passadas, pelo contrário, são armaduras perfeitas para as mulheres poderosas de agora.

Feminilidade e, mais ainda, feminismo são assuntos quentes. Natural, então, que as transparências, os recortes e flashes de pele à mostra se pautem por caminhos similares. Sim, se parecem com gaiolas ou jaulas, mas a sensação de constrição e aprisionamento é só aparente. São mais como janelas para o poder interior ou, como prefere Olivier Rousteing, diretor de criação da Balmain, limites para algo prestes a se libertar.

“É sobre romper as barreiras do sexo, sobre o que é sexy”, explicou ele sobre seu verão 2015. Extremamente gráfico, ele se vale de uma série de recortes geométricos ou aberturas precisas para revelar o corpo – e as curvas – de suas modelos. Alexander Wang, na Balenciaga, vai por caminho similar. Ainda que não falando sobre corpo e sexualidade especificamente, suas redes são referências diretas à praticidade e ao dinamismo das malhas esportivas, ao mesmo tempo em que atualizam as redes de pescador que inspiraram Cristóbal Balenciaga em si. Em outras palavras, seja qual for a inspiração, o assunto é sempre o mesmo: força feminina (e sensualidade máxima).

E se as novas transparências imprimem algo S&M ou revelam mais do que você gostaria, a saída é simples. Sobreposições com peças clássicas, como camisas na Altuzarra, ou recortes em locais menos explícitos, como os da Fendi. Ou então, aposte no contraste entre pele e tecido para explorar outra forte tendência do momento: as padronagens geométricas, de preferência, em preto e branco.