O contraste entre fluidez e rigidez, moulage e alfaiataria permeia o Verão 2018 chique e correto de Giuliana Romanno. A silhueta leve e setentista expressa em vestidos laminados com sutil estampa de orquídea e estrutura transpassada. Já a alfaiataria, a parte mais robusta da coleção, foi construída com juta entretelada, tramas feitas em tear e jacquards de seda e algodão com recortes estratégicos, mangas japonistas e bonitas interferências pontuais de cipó tramado. Foi o resultado da parceria feita com a Casa do Rio – Teçume (grupo formado por oito mulheres caboclas e indígenas da comunidade Santa Izabel, no rio Tupana, no Amazonas). São delas, também, as maxi bolsas em estilo cestaria. Todos esses itens terão 100% da renda revertida para a comunidade. “Eu, que sempre preferi o preto, agora sinto a necessidade de luminosidade”, disse a estilista, antes do desfile, sobre a cartela cromática quase sempre clara. Colares Talento Jóias, feitos em colaboração com a estilista Helo Rocha, surgiram enrolados nas mãos das modelos.