O lenço The Savana Dance - Foto: divulgação
O lenço The Savana Dance – Foto: divulgação

Mais uma vez, os lenços de sarja de seda da Hermès ganham temas africanos. Foram criados dois novos designs com base no trabalho de um coletivo de arte formado por ceramistas zulus do Sotho e Zimbábue, que têm base em ZwaZulu-Natal, na África do Sul.

O coletivo, batizado de Ardmora, foi criado em 1985 por Fée Halsted e é conhecido por suas exuberantes e exóticas peças que retratam a fauna e a flora da região. Muito procuradas por colecionadores, suas peças de cerâmica – conjuntos de chá, sopeiras, pratos e estatuetas – apresentam incríveis flores com elefantes, macacos e mais.

Leia mais:
Hermès cria lenço em prol de felinos selvagens
Uma bolsa Birkin pode ser um investimento melhor que o mercado de ações

Há dois anos, a Hermès se aproximou de Halsted para falar sobre uma possível colaboração. “Nós apresentamos seis projetos e dois foram aceitos”, disse um porta-voz da Ardmore. As criações – batizados de The Savana Dance e La Marche du Zambèze – acabam de desembarcar em lojas selecionadas da marca, incluindo o e-commerce. Eles refletem o tema da casa para 2016, que é La Nature.

O lenço La Marche du Zambèze  - Foto: divulgação
O lenço La Marche du Zambèze – Foto: divulgação

Sydney Nyabeze, um pintor originalmente do Zimbábue, os criou. La Marche du Zambéze apresenta um elefante e outros animais selvagens do Zimbábue. Está disponível em 10 diferentes cores e por 345 euros (cerca de R$ 1.517).

Já o The Savana Dance mostra um macaco que está sendo perseguido por um leopardo . Feito de seda vintage, está disponível em oito cores e por 265 euros (cerca de R$ 1.165).