O Hot Luxury terminou no início desta tarde (11.11) com um debate quente, mediado por Suzy Menkes e Jessica Michault, no qual participaram quatro estrelas da moda brasileira e internacional: os estilistas Carlos Miele, Alexandre Herchcovitch e Pedro Lourenço e a top editora da revista Visionaire, Cecilia Dean.

Na pauta, os altos impostos cobrados pelo governo – que, segundo eles, dificulta a sustentabilidade da moda nacional –, a influência das semanas de moda e a identidade da nossa costura. Confira os melhores momentos:

“Sempre soube que um dia iria desfilar em Paris. Cresci com a moda no sangue e era inevitável que eu um dia chegasse lá”. (PEDRO LOURENÇO)

“Não acho que os estilistas devam sair do Brasil para desfilar suas coleções no exterior. Vocês têm uma semana de moda incrível que bate as de fora”. (CECILIA DEAN)

“Nossas fashion weeks ainda não estão preparadas para receber todo mundo lá de fora. Por isso, desfilo em Nova York”. (ALEXANDRE HERCHCOVITCH)

“Os próximos passos da grife Carlos Miele são: criar um núcleo que só atenda os pedidos das celebridades e transferir parte da nossa produção para a China. Infelizmente, não consigo atender a demanda internacional só produzindo no Brasil”. (CARLOS MIELE)

“O lado industrial da moda não foi desenvolvido no Brasil. É uma pena”. (PEDRO LOURENÇO)

“Não ligo quando dizem que o Brasil é só carnaval e futebol. Sei que somos muito mais que isso”. (ALEXANDRE HERCHCOVITCH)

“Os preços altos dos produtos de luxo no Brasil são consequência dos altos impostos cobrados pelo governo”. (PEDRO LOURENÇO)

“Meu conselho é: parem de comprar porcarias e consumam de forma consciente. O desperdício é terrível e é preciso colocar na cabeça que luxo é qualidade”. (CECILIA DEAN)

“Percebo que o luxo tem uma conotação ruim aqui no Brasil. E até entendo. Vi uma bolsa Chanel que custa R$ 35 mil reais. Se eu fosse uma brasileira e não tivesse recursos, ficaria chateada em não poder comprar o que achasse bonito”. (SUZY MENKES)

“Vejo uma parede branca quando me pergunto sobre a identidade da moda brasileira. São tantas coisas juntas que ainda não consigo defini-la”. (CECILIA DEAN)