Prada - Inverno 2014/Fotos: Marcio Madeira

Miuccia Prada sabe criar reflexões. Não é a toa que seu desfile é sempre um dos mais aguardados da temporada internacional. Seu poder de transformação e a maneira como cria universos completamente diferentes a cada coleção são ingredientes de uma fórmula que nos faz querer voltar sempre. E, desta vez, não foi diferente.

No inverno 2014, Miuccia deixa de lado os japonismos da temporada anterior e olha para um cenário mais amplo e acessível, com forte influência retrô e um mistério estranhamente sensual, como o de um filme de Hitchcock, “muso” absoluto da moda atual.

Menos conceitual, Miuccia oferece um guarda-roupa típico de inverno, com elementos conhecidos da Prada, como as cinturas marcadas por cintos – os largos dourados devem fazer sucesso – e os sobretudos luxuosos, repletos de brilhos e texturas. Ela também propõe novidades, evidentes nas assimetrias das saias – em sua maioria, armadas, bem cinquentinha – , que surgem em volumes simples e decorados com bordados florais brilhosos, trazendo um twist chique aos tweeds e xadrezes de aspecto “caretinha” que predominam na coleção.

Austeros, os casacos de lã são glamorizados com amplas mangas de pele, enquanto as transparências e os decotes descontruídos de vestidos comportados evidenciam a dualidade da mulher Prada. A mesma dupla personalidade aparece nas texturas do couro – croco, metalizadas e coloridas – que, em saias, casacos e vestidos, fazem contraste moderno com lãs e tricôs. Na beleza, chamam a atenção os cabelos molhados, saídos de um banho de chuva, talvez?

Os acessórios são exagerados, com muitas bolsas oversized e plataformas vertiginosas – compostas por saltos grossos e emborrachados -, comercialmente perfeitos para as Miuccia Girls, fãs da estranheza elegante de sua marca preferida.