Balmain - Inverno 2014/Fotos: Marcio Madeira

Desde que assumiu a direção criativa da Balmain, em 2011, Olivier Rousteing vem cimentando suas convicções estéticas para a maison francesa, mesmo que isso pareça ir na contramão de tudo o que está acontecendo na moda atualmente. Ame ou odeie  – afinal, exagerar todas as proporções ao mesmo tempo, não é para qualquer um –, exuberância é palavra de ordem na Balmain.

Olivier dá continuidade às propostas da temporada anterior – como os ombros em tamanho máxi que gritam anos 1980 –, mas  volta um pouco mais no tempo e transforma suas modelos em estrelas do glam rock setentista, com uma profusão de looks metalizados, liderados por tops, vestidos e jaquetas de couro acolchoado e metalizado, em tons de pink, roxo, verde, azul, dourado e prateado.

Os exageros aparecem o tempo todo. Faixas grossas fazem a vez de cinto, marcando as cinturas altíssimas, enquanto calças e macacões aparecem amplos nos quadris e bem afunilados no calcanhar. Saias e vestidos também ganham volume dramático em drapeados de cetim de seda brilhantes.

O exercício maximalista é aplicado em blazers e tops decorados por brilhos e pedrarias, assim como nos brincos enormes, que remetem a lustres de cristal. A imagem não muda, só fica mais forte, perpetuando o DNA de opulência da casa francesa e beirando a caricatura.