Por Lucas Boccalão

Inspirada em guerreiros, a apresentação da Ratier abre com Aline Weber de longo feito de patches de camurça em camadas, quase como pedaços de couro tratados depois da caça. O couro, aliás, é o material chave de todo o desfile, ao lado do moletom com tratamento deluxe. Contudo, é nos looks mais leves de alfaiataria, arrematada com elementos rústicos, e peças feitas da interessante malha de tricô, que Renato evolui seu trabalho e apresenta um caminho mais sofisticado para a marca.

Nas silhuetas, existe um diálogo entre o oriente e ocidente e o styling firma ainda mais a estética beduína da coleção. As preferências e escolhas de Renato são claras, a Ratier tem imagem muito bem definida e o que vimos hoje é certamente uma evolução mais elaborada daquilo que sua cliente já encontra na loja.