Jal Vieira cria coleção inspirada em "Pantera Negra" em parceria com a Marvel
Foto: Rony Hernandes

As produções da Disney e da Marvel tem o poder único de nos transportar para diversos lugares, aguçar sonhos e fantasias e divertir crianças, jovens e adultos. Mas há outro movimento extremamente importante destes dois gigantes que atingem ainda mais uma enorme parcela da população mundial: o da representatividade.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

E quando falamos sobre esse movimento, é impossível não se lembrar de “Pantera Negra”. O filme conta a história de um super-herói negro, T’Challa, rei de Wakanda. O filme, aclamado pela crítica e pelo público, é um dos maiores símbolos de representatividade do cinema atual e, agora, ganha um outro desdobramento muito especial.

À convite da Marvel, a estilista Jal Vieira desenvolveu a coleção “Realeza”, que dá início à campanha “Marvel Diversidade”. Inspirada nas guerreiras tão essenciais na trajetória do filme e na ancestralidade que permeia a história de todas as pessoas pretas, Jal criou três looks completos e exclusivos – apenas uma peça de cada roupa foi criada – que chegam nesta quinta-feira (20.05) ao site da Farfetch.

“Muito antes de trabalhar com a Marvel, as figuras femininas [de “Pantera Negra] me chamavam à atenção. A importância dessas mulheres na estruturação desse povo. Pantera era a figura principal, obviamente, mas não só por trás dele, ao seu redor, do seu lado, à sua frente, eram mulheres que o cercavam, aconselhavam, que estruturavam aquele povo”, conta Jal em entrevista à Bazaar.

A estilista lembra que a primeira vez que viu o filme foi uma das primeiras vezes que assistiu a uma produção completamente mostrando pessoas negras que mostravam não apenas suas histórias e vulnerabilidades, mas também suas vitórias de uma forma que a narrativa fosse contada apenas por aqueles corpos.

Jal Vieira cria coleção inspirada em "Pantera Negra" em parceria com a Marvel
Foto: Rony Hernandes

Para demonstrar o poder dessas mulheres e as emoções que o filme lhe trouxe, a estilista revisitou o filme várias vezes para encontrar um elemento que unisse tudo isso. Foi então que decidiu focar o trabalho de estamparia na Erva-coração.

“A Erva-coração em si é o que, de fato, o torna um super-herói. Mas antes dela chegar ao Pantera, ela passa pela mão, principalmente, de mulheres, que estão ali cultivando essa erva, o poder e a história desse povo. A Erva-coração aparece justamente como simbologia e união tanto do Pantera em si, quanto das mulheres. Transpondo para nossa realidade, o que tentei trazer foi a importância das mulheres pretas na estruturação de qualquer sociedade. De como essas mulheres sustentam [a sociedade] economicamente, na maioria das vezes invisibilizadas, em situação de vulnerabilidade”, explica.

Como lembra Jal, a simbologia vai além da representação de mulheres negras fortes, mas de mulheres negras humanas, que erram, sentem, precisam de afeto, de carinho e que, na maioria das vezes, tem apenas suas próprias vozes para falar por si só. E o trabalho delicado e minucioso da estilista não está baseado apenas na história do filme, mas de sua ancestralidade.

Jal Vieira cria coleção inspirada em "Pantera Negra" em parceria com a Marvel
Jal Vieira – Foto: Divulgação

“Tenho uma origem periférica, passei por muitas situações – minha mãe, mais ainda. Entendo a importância disso na minha história e a responsabilidade que estava carregando. Minha mãe é um papel fundamental nisso e sei que: primeiro por ela, segundo pelas minhas (que estão ao meu redor) e terceiro por quem veio antes de mim, no geral. Na coleção, por exemplo, as nervuras e camadas representam quem veio antes de mim para que eu estivesse aqui. Tenho muito respeito pela minha ancestralidade e entendo que minha história começou muito antes que eu pisasse na terra. Sempre resgato o respeito por essas mulheres que construíram uma história para que a minha pudesse ser continuada”, acrescenta.

Apesar da coleção ser tão exclusiva, Jal Vieira comenta sobre a importância que sua representatividade ecoará pelo País, através de sua imagem e do trabalho de quem esteve com ela. “Enquanto coletivo, entendo que para uma pessoa que tenha uma realidade próxima a minha, até uma mais complicada, como é ver uma mulher preta, brasileira, periférica e lésbica trabalhando com a Marvel, que cria sonhos e possibilidades de se sentir mais potente. Fico feliz com o fato de que as pessoas envolvidas em todo o projeto é, em sua grande maioria, preta, de origem periférica e pessoas LGBTQIA+.”

Jal Vieira cria coleção inspirada em "Pantera Negra" em parceria com a Marvel
Foto: Rony Hernandes

Além dos três looks, a Converse apoiou a coleção com pares do modelo Chuck 70 para serem customizados e comporem o look da coleção, que também serão vendidos online. Jal também desenvolveu estampas exclusivas para uma coleção de camisetas da ONG Orientavida, projeto social que orienta e capacita mulheres por meio do artesanato, oferecendo oportunidade de renda e autonomia. As peças serão vendidas no site da ONG e da Farfetch.

“Isso o que estamos fazendo é história. Por mais que nenhuma peça vá ser reproduzida, o que interessa é a história que estamos escrevendo, as pessoas que fizeram parte desse processo e o que mudou. Fora que, economicamente falando, isso movimentou toda a equipe. Porque é sobre isso também. É uma das coisas que temos lutado, no mercado da moda principalmente, para que as pessoas entendam o quanto nosso trabalho vale, que ele é extremamente necessário e que ele também precisa ser muito bem pago. Como a população preta é a maioria nesse País e o dinheiro não chega nessa população? É sobre essa potência criativa, financeira, emocional e a potência desse coletivo”, finaliza Jal Vieira.

Créditos do projeto

Concepção, styling e cenografia: Jal Vieira
Modelos: Mayara Ferre, Luara Costa e Gerlen Moura
Fotografia, retouch e direção corporal: Rony Hernandes
Iluminação e Assistente de fotografia: Jack Bones
Cabelo: Vanessa Alves dos Santos (Styllus V&V)
Maquiagem: Sue Nógues
Assistente de Produção: Beathriz Paz Martinez e Ana Paula Cordeiro
Modelagem e costura: Ana Paula Cordeiro