Foto: Divulgação

Desde que a joalheira Vera Cortez criou a marca que leva seu nome, em 2010, sua antena sempre esteve conectada com soluções sustentáveis. A nova coleção, que marca a primeira década da label homônima, resume essa trajetória e faz parte de uma campanha voltada para o outro. “Nesse momento é muito importante ajudarmos comunidades que estão em situação de maior vulnerabilidade”, diz Vera, que está contribuindo com a AMP (Associação das Mulheres de Paraisópolis, em São Paulo) e com a Casa do Rio (na Amazônia).

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Vera conta que para criar a coleção que marca a data olhou para trás com o propósito de resgatar o link entre tantos modelos que foram desenvolvidos durante dez anos. “A definição do trabalho como designer de joias fez mais sentido para mim quando entendi que além dos desenhos era preciso fazer pesquisa de materiais, o que acabou me levando aos artesãos do sul da Bahia. Meu trabalho ganhou força e significado ao criar uma identidade visual brasileira que valoriza o artesão, o desenho e a expertise da joalheria”, analisa.

Foi assim que ela chegou na seleção de shapes geométricos e atemporais e na seleção de pedras como ônix, malaquita, lápis lazúli e diamantes, e da escolha pelo ouro amarelo envelhecido.

“As cores são parte importante do trabalho, pois queremos peças fáceis, para serem usadas no dia a dia, e que tenham vida longa e relação íntima com quem as adquire. Tudo no final foi se desenhando como um pensamento sustentável por trás das decisões da marca”, conta ela, que lança a coleção também pensando no Dia das Mães. O amuleto, outro item incorporado ao DNA da marca, é contemplado com o resgate do desenho do escaravelho. “Foi pensando em uma nova década que se inicia, porque é símbolo de renovação.”

Carolina Neves – Foto: Divulgação

Já a designer Carolina Neves se uniu a um time de voluntários que estão envolvidos no projeto “A Fome não pode esperar” da ONG Projeto Quintal Social, que prepara e distribui diariamente lanches e marmitas a pessoas em situação de rua de Vitória, no Espírito Santo. Ela também aproveita a quarentena para dar gás no projeto do e-book que reúne suas receitas saudáveis e que terá 100% da renda revertida para uma ONG parceira.

Foi a partir da atuação solidária que a designer criou a coleção “Fé e Amor”, com colares, escapulários e pingentes para serem usados como amuletos da sorte. Misturando ouro amarelo, branco e rosé, as joias também trazem pedras como esmeralda, turmalina, apatita, topázio e rubelita.