Stella Tennant abre (esq.) e encerra (dir.) o desfile Paris-Edimbourg da Chanel/Fotos: Divulgação

Quem acompanha o blog da Bazaar, já conferiu as primeiras imagens do desfile Paris-Edimbourg da Chanel, apresentado na noite dessa terça-feira (04.12), no Palácio de Linlithgow, na Escócia.

O país europeu não só serviu de cenário para a coleção assinada por Karl Lagerfeld, mas também como fio condutor de todo o show, nos mais diversos níveis, partindo da locação, onde nasceu a primeira rainha da Escócia, até os nomes escolhidos para realizar a apresentação – os nativos Sam McKnight, responsável pela beleza, e Stella Tennant, uma das maiores tops do mundo, escolhida para abrir e fechar o desfile.

Lagerfeld também revisita o período em que Coco Chanel morou no país – época em que foi amante do Duque de Westminster  -, para criar uma coleção que homenageia a tradição da moda escocesa – kilts, tartans, tricôs, tweeds e cashmeres comandam a apresentação – com inteligentes doses de modernidade.

As referências à rainha chegam a ser quase literais, com maxi golas de babados e rendas, vestidos suntuosos, de tecido pesado, trabalhados à mão de forma impecável, enquanto os tartans e kilts ganham perfume punk, em sobreposições estampadas e looks combinados com coturnos de spike. Um ar gótico também paira pela coleção, e nos remete às criações românticas e decadentes do também escocês Alexander McQueen.

A malharia é rica e imponente, lembrando a recente aquisição da empresa escocesa Barrie, enquanto os tweeds, decorados com brocados e pedrarias, nos fazem entender porque a grife decide celebrar todo o ano o mérito de manufatura e artesanato de seus ateliês.