LED apresenta sua nova coleção no SPFW N52 – Foto: Divulgação

A marca mineira LED escolheu olhar para suas origens na nova coleção que desfilou na plateia digital na edição 52 do São Paulo Fashion Week. O designer Célio Dias foi no caminho natural da mente e intitulou de “De Volta Para Casa” sua nova obra.

O carro-chefe das peças é a estampa desenvolvida por Paulo Marcelo Oz, o primeiro artista a colaborar com a marca, chamada de “Nossa Cara”. Ela foi desenvolvida a partir do imaginário presente de uma vida sem pandemia, em que todos eram livres para viver sem máscara.

As peças apresentam cores vibrantes e imagens icônicas do imaginário do designer e do consumidor da marca dando vida, assim, a peças práticas, versáteis e confortáveis e com muito estilo.

A nova coleção chega junto ao momento atual da marca com a abertura da primeira loja física da marca chamada de CASA LED, em Belo Horizonte, em Minas Gerais.

Leia abaixo a entrevista que diretor criativo da marca Célio Dias contou detalhes do desfile e da coleção à Bazaar.

 

Quais foram as principais inspirações para a criação da coleção?

“Olhei para a origem da LED e essa coleção marca a abertura da nossa primeira loja física, em Belo Horizonte (Minas Geraisl), lugar que a gente carinhosamente chamou de CASA LED.”

Como você descreveria a coleção?

“Uma coleção rodeada de afetos e significados para a marca, de grande valor sentimental e de muito orgulho da nossa história.”

Quais os materiais utilizados?

“Seda, algodão, sarjas, viscose e linho.”

Qual é a paleta de cores dominante?

“O off white domina grande parte da apresentação, juntamente de alguns terrosos e dourados, mas a explosão de cores que a LED sempre teve vem na estamparia, que foi desenvolvida com o artista Paulo Marcelo Oz.”

Como foi o processo de criação do vídeo?

“Colaborativo como a gente acredita que tudo tem que ser, criamos o vídeo junto de uma grande equipe para de fato marcar esse desfile como a nossa volta para onde tudo começou, em Belo Horizonte.”

Em um momento em que a vida social começa a ser retomada, em que situações você imagina os consumidores utilizando as peças? Como esse momento influenciou suas criações?

“Imagino que essa retomada seja onde as pessoas queiram se sentir bem, por que de fato estamos marcados por muitas saudades, imagino as pessoas usando aonde elas querem estar felizes e em momentos dos quais elas sintam falta. A pandemia mexeu com todas as estruturas, tivemos que ser guerreiros para continuar e ver essa esperança desse momento passando nos dá um gás ainda maior para continuar.”