Por Ligia Carvalhosa

Uma coleção que veste corpos e estilos distintos. Foi assim que Lilly e Renata Sarti começaram a pensar o seu inverno 2016. Uma viagem mística, que revisita simbolismos, ainda que de maneira discreta. “Frequentamos o mesmo astrólogo. Quisemos mostrar que, assim como nós, o diferente pode ser complementar”, contou Lilly Sarti antes da apresentação, mostrando a mistura de tecidos e texturas como tule devorê e tricô, material bem vindo no repertório de desfiles da marca.

O resultado é novo, sóbrio e pautado na alfaiataria. “A ideia foi propor algo mais amplo e afastado do corpo, mesmo que pontuado por algumas peças justas.” De fato, a ideia é uma moda democrática, que pisa forte de mocassins e poderosas fendas e ombros à mostra. Motivos clássicos do universo místico, como Yin e Yang, olhos gregos, estrelas e planetas estampam, de maneira singela, as peças de crepe, tule, jeans e lamê. Destaque também para os detalhes de pele que pontuam golas e punhos, além dos bons choker, usados direto na pele ou sobrepostos a golas rulê.