Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Louis Vuitton abre um novo capítulo de sua história inovando no setor de alta joalheria ao adquirir o extraordinário diamante Sewelô, recuperado na mina Lucara Karowe, em Bostwana. Com 1758 quilates, é o segundo maior diamante bruto já encontrado em 100 anos, seguido somente do Cullinan, com 3106 quilates, descoberto na África do Sul em 1905 e transformado em diamantes históricos que agora integram as joias da coroa britânica e da coleção real.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Sewelô significa achado raro no idioma nativo de Setswana; o nome foi selecionado entre 22.000 inscrições em um concurso aberto a todos os cidadãos do Bostwana. O anúncio do nome selecionado foi feito durante um evento de gala na presença de Sua Excelência Mokgweetsi Eric Keabetswe Masisi, Presidente da República do Bostwana. Medindo 83mm x 62mm x 46mm este diamante bruto foi encontrado em abril de 2019 na mina de Lucara Karowe, Bostwana.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O ano de 2019 marcou também o setor de Joalheria da Louis Vuitton com o lançamento de duas coleções assinadas por Francesca Amfitheatrof: “B Blossom” (abril de 2019) e “Riders of the Knights” (julho de 2019). A aquisição do Sewelô eleva a legitimidade da maison como peça importante entre a joalheria e o universo dos diamantes, retomando um dos conceitos da casa: o espírito conquistador e arte de viajar, além de seu savoir-faire e pioneirismo.

Em mais uma iniciativa inovadora, a Louis Vuitton planeja transformar a extraordinária variedade do Sewelô para oferecer aos clientes a criação de diamantes personalizados e lapidados. Esse novo movimento e comprometimento com o setor da alta joalheria, permite a personalização e exclusividade finais, permanecendo totalmente em sintonia com a herança da Louis Vuitton de comissões especiais feitas sob encomenda.

Leia mais:
Alta-joalheria da Louis Vuitton garante brilho extra
Francesca Amfitheatrof investe em grife própria de joias
Louis Vuitton renova a direção criativa de joias e relógios