Por Sylvain Justum

Até mesmo o costumeiro trabalho artesanal de Melk-Z-da, geralmente um tanto perene ao vaivém das direções da moda, se rende ao onipresente sopro esportivo.

De proporções assimétricas, seu verão incorpora os grafismos e recortes da referência – nos ótimos vestidos do primeiro bloco do desfile – e sua pegada hi-tech – nos metalizados dos tênis baixinhos ou arrematando o cós dos shorts e calças de cintura alta.

Além do habitual (e sempre rico) repertório de texturas e volumes, conseguido com junção de materiais como a organza, o mohair e a seda, Melk recupera os bordados de linhas coloridas, adormecidos há algumas estações, mas que voltam para pontuar toda a coleção.

Tendencinhas reconhecidas: a barra mullet dos vestidos, a barriga de fora – nos bons looks de bustiê com short e jaqueta – e o decorativismo – pedrarias!

Zoom também nos acessórios, altamente desejáveis, como o adorno maximalista de orelha e a bolsa com detalhe floral de efeito changeant.