Bolsa mini da Fendi - Foto: Getty Images
Bolsa mini da Fendi – Foto: Getty Images

Você consegue imaginar um futuro – deixemos claro,  não tão distante – em que o dinheiro em espécie deixará de existir?  Pois é, esta é a previsão feita pela Apple. Segundo a gigante de tecnologia, em dez anos pagaremos tudo que consumimos com cartão de crédito.

Parece absurdo?  Não muito. A fast fashion Topshop ouviu atentamente a previsão e lançou, há poucas semanas, seu próprio “dinheiro”, batizado de  kitsch. O que são? Chaveiros, acessórios de bolsa e até mesmo capinha de celulares que vêm com um chip acoplado, especial para as clientes pagarem suas pendências na loja sem utilizar dinheiro ou cartões de crédito ou débito.

Mas o que isso muda para nós, fashionistas? Uma das repostas pode ser a crescente procura por bolsas menores – mini e micro bags.  Cada vez mais marcas de luxo têm investido nas versões pequenas de seus grandes clássicos – como os modelos A4 Mini Tote, da Balenciaga, a Rockstud Mini Cross, da Valentino, ou a Chanel Flap Bag New Mini.

Bolsa Chloe Faye - Foto: Getty Images
Bolsa Chloe Faye – Foto: Getty Images

O mesmo vale para as fast-fashions, que oferecem opções para quem quer carregar pouca coisa –ou o mínimo possível.  Talvez o kitsch da Topshop tenha sido resultado de um levantamento da marca, que concluiu um aumento de 38% na procura por mini bags.

De acordo com a  bag buyer do Net-a-Porter, Sara Redwood, o mesmo acontece com as carteiras de mão. “Antes um acessório primordial para guardar dinheiro, agora as carteiras vêm como um acessório único para as mulheres, assumindo o lugar de uma micro bolsa.”

Diante desse cenário, fica a pergunta: será este o fim das bolsas grandes e volumosas? Uma coisa é certa: ainda precisaremos de um lugar para guardar nossas chaves, batons, óculos e agenda…

Veja alguns modelos que já se tornaram queridinhos do street style: