nota-bafweek
Juan Hernandez Daels – Foto: reprodução

Por Giuliana Mesquita

A Semana de Moda de Buenos Aires passou por algumas reformulações para sua última edição, de verão 2016, que aconteceu dos dias 11 a 14 de agosto, no espaço de eventos La Rural. Com a mudança, algumas marcas mais conceituas entraram para o line-up, dividindo a passarela com lojas mais comerciais, além de, todos os dias às 18h, uma neo-label desfilar seu trabalho. A BAF Week quer crescer e aparecer — e consegue, considerando o fôlego que o nome de grandes costureiros portenhos trazem ao evento.

A alfaiataria jeans de Ramírez - Foto: divulgação
A alfaiataria jeans de Ramírez – Foto: divulgação

 

A moda argentina é simples, fácil de entender, até. Fato que existem estilistas que pensam fora do “padrão vigente” do país mas, na maior parte dos melhores desfiles apresentados nesta semana, o minimalismo descomplicado reinou. Shapes afastados do corpo, alfaiataria bem cortada e estampas pontuais foram maioria. Nome influente na moda do país, Pablo Ramírez se juntou à marca de jeanswear Loco Serious Denim para criar a #RamirezDenim, uma coleção com foco no tecido mais democrático do mundo. Apesar dessa característica, o jeans do estilista é tudo menos casual. As peças são cortadas com a precisão e forma de uma alfaiataria. Flares de cintura alta, macacões estilo industrial e saias mídi rodadas são os grandes destaques de seu desfile, que foi apresentado em cinco blocos – jeans crus, workwear, verão, 70s e all black. Desfiles divididos em blocos são outra tendência da semana de moda portenha.

 

O minimalismo relaxado da Nous Etudions  - Foto: divulgação
O minimalismo relaxado da Nous Etudions – Foto: divulgação

Entre os minimalistas mais clássicos, que bebem na mesma fonte de labels como Céline e Jil Sander, temos marcas como a Nous Etudions, que apresentou peças longas e afastadas do corpo, mas não menos sensuais que um vestido colado e curtíssimo. Isso porque eles têm cortes estratégicos nas laterais e fendas que mostram as coxas quando as modelos andam. Destaque para o vestido com o ombro propositalmente caído.

 

A pureza corrupta da Urenko  - Foto: divulgação
A pureza corrupta da Urenko – Foto: divulgação

A Urenko segue a mesma linha, com peças afastadas no corpo mas, dessa vez, com detalhe para as costas nuas, que trazem a sensualidade que a marca queria nesta coleção, batizada de “Pureza Corrupta”. Atenção nos tricôs com cortes diagonais usados com saias e calças ultralargas.

 

O minimal sportsy de Giacobbe  - Foto: divulgação
O minimal sport de Giacobbe – Foto: divulgação

O primeiro grande destaque da BAF Week foi Giacobbe, neo-marca de apenas três anos, que começou como uma aposta do governo da cidade, mas já anda (bem, obrigado) com suas próprias pernas. Marcelo Giacobbe é conhecido por suas peças feitas sob medida e seus cortes precisos. No seu verão 2016 apareceram chemises transparentes, saias plissadas com canutilhos bordados combinados a tops cropped e vestidos com detalhes do sportswear em tons como branco, preto, petróleo e nude.

 

As transparências estratégicas de Juan Hernandez Daels  - Foto: divulgação
As transparências estratégicas de Juan Hernandez Daels – Foto: divulgação

Juan Hernandez Daels foi o estilista que mais surpreendeu na temporada portenha. Foi do “momento em que a tinta toca a água” que saíram as saias rodadas transparentes, os drapeados e a estampa criada pelo próprio. Algumas peças em algodão — como um vestido acinturado em preto e branco — passaram por um processo que os deixa com aspecto molhado. Outras, as melhores do desfile, imitam o movimento da tinta se dissolvendo na água em saias assimétricas e tops cropped de tela. Ponto para a Argentina.