Por Ligia Carvalhosa

O cassino da Chanel se propõe clássico, mas é dos mais modernos, bem como sua moda. Tem trilha sonora alucinante e Alice Dellal, Julianne Moore e Kristen Stewart apostando todas as suas fichas. É regra fashion, quem não arrisca, não sai do lugar, não evolui. E num resgate da própria joie de vivre da moda de luxo e de um ensaio a volta do maximalismo, Lagerfeld recupera o glamour dos salões – com direito a poderosas peças de alta-joalheria da própria marca – dos little black dresses, a volumosas saias e boleros de organza com efeito de plumas.

Assim, em ritmo acelerado como a vida de hoje, as modelos circulam ao redor da mesa com tailleurs de tweed e metalassê high-tech (costurados a laser), em silhueta algo clássica, mas proporções para já, vide as jaquetas boxy encurtadas. A inovação vem também na forma dos tecidos que dão novo status a haute couture – se até então o encanto estava no trabalho manual, a roupagem de agora está na união entre o que há de mais tecnológico e o de mais tradicional. E para fechar o show, Kendall Jenner deixa o vestido de lado e assume a noiva de terno – feminina, mas zero óbvia.