Por Sylvain Justum

Entra estação, sai estação, é sempre tarefa complicada analisar uma coleção de Lino Villaventura pelo prisma comercial, das tendências que fazem girar o mundo da moda. Inverno pode ser verão, e vice-versa.

O trabalho de Lino é único, especial, e tem seu público fiel – basta reparar na ovação recebida ao final do desfile. Seus longos e festivos vestidos, bordados ou de transparência rajada e rebuscada, alternam entradas com outros mais curtos e low profile, que, nós, aqui na Bazaar, preferimos.

Sejam os de cinturinha marcada e saia abajur, bem cinquentinha, ou os de shape desmontado, afastado do corpo, com decote armado e arabescos vazados na lateral.

Como parte da teatralidade da apresentação, absurdas máscaras de pedrarias, adereço completado com fone de ouvido de tecido e salamandra cintilante na cabeça.

O melhor look: O vestido cinquentinha de patchwork branco e cinza, com cintura marcada e formato abajur. Feminino e delicado. E usável.