Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Por Luigi Torre

Faz quatro anos que Oliver Rousteing assumiu a direção criativa da Balmain e, agora, com uma coleção em parceria com a H&M se aproximando, o estilista resolveu olhar para tudo que já fez à frente da maison. Vem daí um pouco da sensação déjà vu que percorreu por todo o seu verão 2016, recém-apresentado em Paris. Os ombros definidos, as cinturas marcadas, os vestidos vazados de crochê e macramê, as telas, a eterna referências 80’s e todo um repertório feito (quase) sob-medida para cliques de Instagram e mulheres tão poderosas quanto seu casting (desta vez com Carol Riberio, Alessandra Ambrosio, Isabeli Fontanta, Kendall Jenner e Gigi Hadid).

Sim, moda é sobre o novo e mudar é preciso. Mas não há como negar que, em tempos de mercado supersaturado, ter uma forte identidade e estilo próprio é mais do que bem-vindo. E por aí, novos (ainda que discretos) elementos se juntam aos já mencionados: uma silhueta levemente mais solta e a presença marcante de babados em camadas (já uma forte tendência da estação). Como que se a mulher guerreira da marca estivesse, aos poucos, abrindo espaço para seu lado mais delicado. Assunto quente e relevante para moda e para o mundo.