Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Por Armando Palha

“Eu introduzi Liz a cerveja, e ela me introduziu a Bulgari. A única palavra que a Elizabeth sabe em italiano é Bulgari,” uma vez afirmou Richard Burton sobre a Elizabeth Taylor e sua paixão pela joalheria. Com 130 anos de história, essa empresa familiar fundada por um imigrante grego, transformou o cenário de glamour mundial através de suas peças inusitadas e fortes raízes romanas. Esse mês o livro Roma Passion Jewels escrito pelo jornalista francês Vincent Meylan será lançado e traz conversas pessoais com Paolo e Nicola Bulgari, netos do fundador da marca. Além de relatar com franqueza os bastidores e a vidas dos personagens que fizeram parte dessa maison, o livro vem com imagens inesquecíveis das beldades que definiram o cinema e o jet set do século 20. Bazaar conversou com Paolo Bulgari, presidente da marca, e Jean-Christophe Babin atual CEO sobre joias, Roma e o futuro da Bulgari.

Harper’s Bazaar Quando você começou a sua carreira na Bulgari a marca ainda era uma pequena empresa familiar, mas hoje é uma instituição internacional por si própria. A que você atribui o sucesso da marca?

Paolo Bulgari Ao longo das décadas a Bulgari foi capaz de forjar um estilo distinto, capaz de antecipar tendênci-as e capitar o espírito das épocas. Com designs icónicos como Serpenti, Monete e Bulgari Bulgari, e também, com a utilização de pedras de cabochão cortadas em combinações cromáticas aju-daram a construir a imagem de uma joalheira prestigiosa com fortes raízes Romanas que ao mesmo tempo esta olhando para o futuro.

HB No livro ‘Roma Passion Jewels’ você menciona que quando começou a trabalhar o mercado de jóias estava principalmente situado em Paris. Como a marca conseguiu se distinguir do mercado Francês?

PB Primeiramente pelo uso de cor. Desde o final dos anos 50 a Bulgari começou a combinar pedras coloridas independente de seu valor, apenas para obter efeitos cromáticos marcantes. Safiras foram combinadas com turquesa ou ametistas, por exemplo, assim afastando-se do método Francês que aplicava apenas um tipo de pedra preciosa com diamantes. Outro aspecto chave foi a introdução do cabochão, que trouxe pedras cortadas em posições de destaques para apresen-tar a cor das pedras e transmitir a sensação de volume. Além disso, a Bulgari introduziu o conceito de wearable jewels, concebido para ser maleável e flexível, e capaz de seguir os movimentos do corpo como se fosse uma segunda pele. Você não precisa ir a um evento de gala para usar as peças, mesmo se uma jóia for de alto valor. E esse ainda é o meu objetivo quando crio jóias.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

HB Muitas das jóias criadas pela Bulgari são inspiradas pela cidade de Roma. Qual é importância da cidade para a marca? Você tem sempre a cidade em mente durante o processo de criação?

PB “A cidade eterna” acolheu o meu avô Sotirio (fundador da marca) no final do século 19 e impulsionou a sua loja de jóias na Via Condotti para os holofotes internacionais. De fato muitos aspectos criativos da marca refletem detalhes, motivos e monumentos de Roma: as cúpulas são refletidas através do cabochão de pedras cortada, e as linhas puras dos vestígios romanos foram reprisadas na geometria sofisticada dos designs Bulgari. Até mesmo o logo presta homenagem as antigas inscrições romanas.

A cidade de Roma é muito querida pela Bulgari e por essa razão em 2014, enquanto celebrávamos o nosso aniversário de 130 anos da marca, decidimos renovar e restaurar a escadaria de Espanha, um monumento significativo na história da marca pois a primeira loja da Bulgari abriu logo acima da escadaria. As obras começam agora em Maio e se finalizam dentro de 2017, com esperanças de retornar a beleza original do monumento.

HB Durante toda a sua carreira você trabalhou e desenvolveu a marca Bulgari . Quais são os valores que você acredita representarem a essência da marca?

PB Com certeza inovação, pois a Bulgari sempre buscou novos caminhos em termos de códigos estéticos, materiais utilizados e um abordagem não convencional em suas criações. Outro valor é criatividade, pois por trás de cada jóia existe uma forte motivação em ir além dos limites a fim de criar jóias que agradem os olhos e ao toque. O terceiro valor é a paixão pela beleza que envolve pesquisa em busca de uma resultado final que tenha volumes harmoniosos e linhas puras.

HB Algumas das mulheres mais famosas e iconicas do século 20 já estiveram associadas com a Bulgari. Quem você acha representa a imagem da marca hoje? Existe uma nova Monica Vitti ou Elisabeth Taylor?

PB A Elizabeth Taylor pertencia a uma época que na minha opinião a gente não pode mais reviver: uma era feita de glamour e estrelas do cinema que eram veneradas como se fossem semi-deusas, cercadas por uma aura de desejo e exclusividade. Um período em que as estrelas do cinema poderiam ser vistas apenas nas telas e nas revistas. Hoje em dia, astros do cinema tem Twitter e Facebook e em geral estão mais expostos com eventos sociais, projetos de publicidade ou iniciativas de caridade. Com mais exposição, talvez o fascínio pelo exclusivo tenha sido perdido. Dito isto, acredito que a Carla Burni encarne perfeitamente a mulher Bulgari contemporânea pelas suas características que ela compartilha com a marca, entre elas as sua raízes italianas e versatilidade. Ela combina uma elegância sem esforço com uma atitude relax e fresh.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

HB Durante os anos 60 Roma estava no auge em termos de glamour e influencia na industria do cinema e no estilo de vida jet set assim servindo como uma fonte de inspiração. Como você se inspira hoje em dia? Que tipo de imagens instiga a sua criatividade?

PB Eu acredito que um bom designer pode achar inspiração em qualquer coisa, dado a habilidade de encontrar beleza inesperada ao seu redor. Nesse sentido, o exemplo perfeito é a coleção Parentesi criada nos anos 80, inspirada pelos cruzamentos de travertino que você encontra nas ruas de Roma. Esse simples porém poderoso emblema pode ser transferido tanto em peças básicas quanto em alta joalheria, sempre com um estilo reconhecível e contemporâneo.

HB Quando você começou a clientela do mercado de jóias era menos diversificada e globalizada do que atualmente. Como você acha que isso reflete nas jóias que as mulheres buscam hoje?

PB Nos anos 60 o universo do luxo era bastante exclusivo e poucas pessoas tinham condições financeiras para esse tipo de acesso. Se alguém entrasse na nossa boutique na Via Condotti de short, acho que haveríamos chamado a policia. Hoje em dia a clientela é bem maior e o luxo foi desmistificado e ao mesmo tempo se tornando mais acessível. Como conseqüência, os produtos estão bem diversificados em termos de preço, oferecendo criações mais fáceis de usar em sintonia com o estilo de vida dinâmico da mulher moderna. O aspecto chave, mais uma vez, é design. As mulheres estão buscando peças distintas que possam ser usadas ao longo do dia como uma extensão de seus gostos e personalidade.

HB Desde o inicio toda a sua família esteve ao centro da marca. Em 2011 a maior parte da Bulgari foi comprada pelo grupo LVMH. Como foi a transição para fazer parte de um conglomerado como o grupo LVMH?

PB Fazer parte do grupo LVMH aumentou as nossas oportunidades de negocio e a visibilidade da marca. Ao mesmo tempo, a LVMH tem preservado o DNA da marca e os código estilísticos, já que eles consideram as raízes da marca um trunfo inestimável para continuar a consolidação da maison como um emblema italiano de excelência. Nesse sentido a minha rotina de trabalho não mudou. Eu continuo supervisando a criação de alta joalheira e trabalhando com um time de designers com a mesma paixão e compromisso.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

HB Você faz parte da terceira geração da Bulgari. O que você prevê para a quarta ou quinta geração? Você quer que seus filhos e netos façam parte da marca e em que capacidade?

PB Até agora nenhum de meus filhos trabalhou na empresa, eu deixei eles seguirem as suas paixões. Meu filho Giovanni, por exemplo, sempre teve interesse em natureza, vida de campo e vinificação. É uma coisa que ele sempre gostou de fazer. Agora ele gerencia uma propriedade com vinhas na Toscana e em 2009 ele recebeu o prêmio de melhor vinho tinto italiano. Eu acredito que fazer algo com paixão sempre traz um resultado positivo. Umas das milhas filhas mais novas esta desenvolvendo uma paixão por jóias então talvez no future ela seguira os meu passos. De qualquer forma, ainda é cedo demais para fazer esse tipo de previsão.

HB Como você gostaria que as sua criações de jóias fossem lembradas?

PB Como peças capazes de trazer alegria para a vida das mulheres.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Harper’s Bazaar As principais economias mundiais tem se apresentado bastante vulneráveis nos últimos anos. Até mesmo as economias emergentes estão apresentando desafios econômicos. Como a Bul-gari busca se adaptar a essa situação econômica instável e manter o seu crescimento ao mesmo tempo?

Jean-Christophe Babin Na Italia dizemos “Quando a situação esta difícil, a mais difícil entre na arena.” Em outras palavras, essa situação nos estimula a ser ainda mais ousados, inovadores, e audaciosos para criar mais desejo e sonhos que façam a Bulgari mais irresistível em todos os aspectos.

HB Você poderia nos falar os números de crescimento desde que a Bulgari foi adquirida pelo grupo LVMH? E qual é a projeção para esse ano?

JCB Nós não fornecemos dados específicos sobre a Bulgari. Os analistas estimam que estamos crescendo dois dígitos há algum tempo graças as novidades de nossos produtos e o foco no nosso núcleo de joias. Eu não vejo razões para que os analistas estejam errados para esse ano. Estou razoavelmente otimista de que iremos superar o mercado.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

HB Nos últimos anos a Bulgari vem democratizando alguns de seus produtos com peças mais acessíveis como a coleção Diva. Esta é uma tendência que veremos com mais freqüência? Como você encontra um equilíbrio entre peças de alta joalheria e itens mais acessíveis sem perder o apelo e exclusividade?

JCB Todas as nossas coleções são produzidas com a mesma criatividade presente nas peças de alta joalheria . As peças únicas são feitas para um mercado extremamente seletivo, mas quando você usa uma peça da coleção Diva ou Serpenti você reconhece imediatamente o design inspirado nas criações únicas. O luxo também tem uma componente aspiracional, um colar da coleção Diva é mais acessível e fácil de usar em uma maneira elegante sem esforço.

HB Eu li que a Bulgari pretende inaugurar cerca de 20 hotéis nos próximos 7 anos. Esse empreendimento é visto como uma extensão do lifestyle das joias e relógios da marca? E em quais cidades podemos esperar mais hotéis Bulgari?

JCB A filosofia por traz de nossos hotéis é diretamente inspirada nos valores da Bulgari. Nós temos o mesmo cuidado e paixão na projeção de nossos hotéis que na criação de joias e relógios. Cada detalhe é cuidado para que os nos clientes tenham uma experiência única e memorável. Isto significa escolher cuidadosamente a locação para aproveitar o melhor de cada cidade, garantindo a mais alta qualidade de serviço e criando uma atmosfera luxuosa e residencial. Colaboramos com o arquiteto Antonio Citterio, que cuida de todos os aspectos de decoração de interiores. Entre 2015 e 2017 iremos dobrar o nosso número de hotéis de 3 para 6, com aberturas em Dubai, Shanghai e Beijing, demonstrando a tendência de crescimento.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação