Desfile Filhas de Gaia/Foto: Divulgação

Por Sylvain Justum

Em um desfile enxuto, onde a mistura entre Japão e África deu o tom, sobraram imponentes vestidos na coleção da Filhas de Gaia.

Silhueta longilínea, com comprimentos alternados entre joelho e chão, a ordem é seduzir. Seja pelo corpo delineado nos modelos ajustados ou pelas generosas fendas dos modelos mais soltos.

Seria natural que, num desfile com essa inspiração, explodissem prints étnicos, numa profusão de cores acendendo gueixas urbanas. Não é bem assim. O preto e o branco dominam, mixados com estampas orientais e prints zebrados localizados, no bom jogo de artesanal e high tech, de mangás com tribal.

O penteado é afro, os colares de madeira assinados por Maria Oiticica, também. Sobram a geometria, as sobreposições e os franzidos bicolores para o Oriente. Repare no belo look de Marcelia Freesz, de saia-lápis estampada de poás e motivos étnicos com top roxo e branco. E por aí vai. Escolha seu vestido, uma saia longa assimétrica ou uma pantalona, suba na meia-pata e prepare-se para a festa.

MELHOR LOOK: O vestido esvoaçante em verde e roxo. Leve e chic, como deve ser o inverno nos trópicos

ACESSÓRIO: Os imponentes colares de tubinhos de madeira feitos por Maria Oiticica