Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Por Luigi Torre, de Nova York

A temporada internacional de verão 2016 está só começando, mas já dá para sentir um clima escapista tomando conta de boa parte dos desfiles — pelo menos aqui em Nova York. E a mensagem já era clara só ao adentrar a sala de desfile de Tommy Hilfiger. Ali, um passarela-píer circulava um lagoa, com direito a ilha com coqueiro, canoa e até uma cabana com drinks. Alguém precisa de mais alguma coisa?

Quem sabe os ótimos vestidos de crochês soltinhos, as calças de modelagem quadrada (já uma tendência certa para a próxima estação) combinadas a tops cropped ou biquínis e os florais assinados pelo artista Josef Frank. O ponto de partida são os anos 1970, década em que todo o high europeu invadiu as ilhas caribenhas, com destaque para Jamaica (é de lá, aliás, que vem boa parte da cartela de cores, estampas, atitude e até a ótima trilha de reggae). Mas a atitude e styling são essencialmente 90’s — já uma obsessão fashion da estação.

Mas Tommy é um estilista mais adepto à continuidade de estilo do que a mudanças constantes, o Caribe aqui chega algo americanizado ou britânico até. Jaquetas esportivas em tecido acetinado, camisas e ternos fluídos quase como pijamas dão conta de manter acesa a eterna essência preppy da marca, ainda que com cara nova. Ou pelo menos refrescada por uma leve brisa.