Peças únicas e ilusão de ótica: os destaques do pre-fall 2021 da Nina Ricci
Foto: Divulgação

Existem diversas formas de analisar uma coleção de moda. Na maioria das vezes, o impacto visual (as vezes, comercial) é a primeira coisa que chama a atenção, seguida de uma análise mais artística e política sobre como as peças de roupa conversam com o momento atual. O pre-fall 2021 da Nina Ricci é um exemplo perfeito de como a moda vai muito além da primeira identificação que temos com uma roupa.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Em um primeiro momento, a elegância das peças, a geometria das estampas e o toque de cor encantam o olhar e atiçam o desejo. Mas é só quando você conhece o trabalho que Lisi HerrebrughRushemy Botter, diretores criativos da label, desenvolveram que todas as peças se encaixam. Enganando o olhar, os looks consistem em sua maioria em apenas uma peça. Faixas de cor criam o efeito de sobreposição e o que parece uma saia e jaqueta é apenas um casaco

A dupla se inspirou no momento pós-guerra vivido pela marca e que, em partes, se assemelha com o atual cenário: a escassez de tecidos. A proporção da época nem se compara com hoje, mas com uma maior dificuldade em conseguir os insumos necessários, a dupla se jogou na criatividade.

O resultado são peças que valorizam sua própria silhueta, com vestidos arredondados contrastando com as linhas retas de sobretudos. O trabalho com tecidos e estampa reforça a ilusão de óptica. Linhas e formas coloridas dão vida a visuais extremamente elegantes. É atemporal e atual ao mesmo tempo, o tipo de roupa perfeita para comemorar o fim de tudo o que estamos vivendo.

É uma coleção que conversa muito bem com a era digital, em que o que vemos pelas telas – sejam roupas, paisagens ou até mesmo pessoas – jamais vai se assemelhar com a riqueza de ver a mesma coisa pessoalmente. Veja nossos looks preferidos da coleção: