Foto: reprodução/Instagram
Foto: reprodução/Instagram

Poucos assuntos estão tão em voga quanto o direito das mulheres. Por isso, a notícia de que oito modelos foram presas pela polícia iraniana por posarem sem lenço na cabeça em campanha de beleza chamou atenção da mídia internacional.

De acordo com a BBC news, a corte de cybercrimes do Tehran investigou cerca de 170 pessoas, incluindo 59 fotógrafos, 58 modelos e 51 agência e marcas. O governo não só condena os atos e os intitula de ações contra o islamismo, mas chega inclusive a fechar negócios e suspender as contas nas redes sociais.

“As fotos (postadas no Instagram) são uma ameaças à moralidade e família, e espalham a cultura da promiscuidade”, disse o promotor do caso, Javad Babaei, em rede nacional. Em contrapartida, a make-up artist Elnaz Golrokh compartilha desabafo com a imprensa: “Infelizmente, no momento, sou levada a sair do meu país para poder exercer a minha profissão. Obrigada pela solidariedade e apoio”. Desde 1979, o Irã aprovou lei que criminaliza a exibição do cabelo em público.

Esta não é a primeira vez que a policia iraniana executa ações deste nível. Em maio de 2014, um casal iraniano foi preso por postar um vídeo dançando a música Happy, do cantor Pharell Williams. Eles tiverem penas suspensas, mas receberam 91 chibatadas como punição.

Leia mais: Dossiê da representatividade: as campanhas de primavera/verão 2016 em números