Poncho está de volta e esquenta os dias mais frios

De alma latina, o poncho retorna ao closet em versões original e revisitada

by Silvana Holzmeister
O poncho no street style - Foto: Divulgação

O poncho no street style – Foto: Divulgação

Tradicionalmente, o mês de abril anuncia a chegada das primeiras peças de outono ou pre-fall nas vitrines. É uma época empolgante, de novidades, palavrinha mágica na moda. E, entre as tendências, o retorno do poncho merece destaque. Meio étnico, totalmente unissex e confortável, ele aparece em várias coleções e promete ganhar força à medida que os dias forem ficando mais frios.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Sarah Jessica Parker usa poncho customizado em 2014 - Foto: Getty Images

Sarah Jessica Parker usa poncho customizado em 2014 – Foto: Getty Images

Peça statement e até controversa, vez por outra aparece conectada a situações fashionistas. Quem não se lembra das várias vezes em que Carrie Bradshaw usou modelos diferentes ao longo de “Sex and the City”, ou quando Andrea, de “O Diabo Veste Prada”, prestes a virar uma fashionista, ganha uma peça e questiona o presente?

Chloé, pre-fall 2019 - Foto: Divulgação

Chloé, pre-fall 2019 – Foto: Divulgação

Nesta temporada, o poncho surge na versão clássica, em comprimentos variados, e revisitado. Famosa por, além de criar, ser ávida consumidora de moda, Natacha Ramsay-Levi, diretora-criativa da Chloé, tem antenas afiadas para tendências que vão ganhar as ruas a bordo de garotas estilosas. Por isso, atenção ao poncho que pula na nova coleção da marca, inspirada em seus arquivos dos anos 1970 e 1980. A peça já havia aparecido no ano passado e também ganhou espaço na coleção do inverno 2019 de Natacha.

Caso semelhante acontece na Jil Sander. A dupla Luke e Lucie Meier vem flertando com o poncho desde o pre-fall 2018 e mostra que se trata de ótimo investimento ao incluir um modelo também no mais recente desfile da marca. Apesar de estarmos olhando para uma trend globalizada, esta tem tudo a ver com os latinos. Originalmente feito de lã de ovelha para ser usado por gaúchos e de lhama, alpaca ou vicunha pelos povos andinos, costuma ter 3,5 X 2,5 metros e uma abertura no centro por onde passa a cabeça. Depois, é só deixar cair suavemente sobre os ombros.

Registros em livros e ilustrações mostram que, no Brasil, até o século 19, era uniforme durante o inverno de tropeiros que circulavam pelas províncias de São Paulo, Minas Gerais e Goiás, além de todo o Sul do País. Foi o movimento étnico do final da década de 1960, começo de 1970, que transformou esse item regional em desejo de moda.

O cinema ajudou. O poncho foi item-chave na trilogia bangue-bangue que fez o mundo suspirar pelo caubói charmoso de Clint Eastwood em “O Pistoleiro sem Nome”, “Por um Punhado de Dólares” e “Três Homens em Conflito”. A adolescente Laurie, do seriado Família “Dó-Ré-Mi”, também tinha um modelo bem parecido. Isso fez com que a peça se transformasse em curinga unissex.

Longe dos holofotes por mais de 20 anos, foi resgatado no início dos anos 2000 e, desde então, vez por outra é lembrado quando cai a temperatura. Este último retorno vem salpicado de idas e vindas desde 2014, quando a Burberry fez uma versão parecida com cobertor para ser customizado com as iniciais da dona e que conquistou de Cara Delevingne a Suki Waterhouse.

Esse caráter sem gênero foi enfatizado na coleção de estreia de Riccardo Tisci na marca inglesa, resort 2019, em uma versão bem próxima da original latino-americana. Agora, o tal modelo meio cobertor está de volta ao pre-fall, acolchoado e com estampa de lenço de um lado e monograma do outro. O diretor criativo sugere usá-lo jogado sobre os ombros ou amarrado.

Gucci, pre-fall 2019 - Foto: Divulgação

Gucci, pre-fall 2019 – Foto: Divulgação

A Calvin Klein fez uma peça bem parecida na primeira coleção após a saída de Raf Simons e Alessandro Michele, na Gucci, sugere finalizar a sua com um broche impactante.

Valentino, pre-fall 2019 - Foto: Divulgação

Valentino, pre-fall 2019 – Foto: Divulgação

Quando fechada, lembra bastante uma capa vitoriana, como mostrou Pierpaolo Piccioli no desfile da Valentino realizado em Tóquio, em novembro. É essa versatilidade que impulsiona o atual revival, sem contar que o material é sempre aconchegante. Bá tchê!, como resistir?

Leia mais:
Noivas vintage: trend retrô marca os vestidos da temporada
Dinamarca: grife underground argentina tem planos para o Brasil
Logomania: grifes internacionais estampam logotipos sem medo do “cafona”