Pyer Moss estreia na semana de alta-costura com peças que homenageiam inventores negros
Kerby Jean-Raymond – Foto: Divulgação

Depois de ter seu desfile adiado por causa das fortes chuvas que atingiram Nova York, Pyer Moss encerrou a semana de alta-costura neste sábado (10.07) – desta vez, presenteado por um lindo dia para aproveitar o espaço externo da mansão de Madam C. J. Walker, a primeira negra milionária da história, onde aconteceu a apresentação.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

O cenário escolhido já anunciava que a coleção seria mais uma forte declaração sobre questões raciais, reforçando a importância da presença de Kerby Jean-Raymond na alta-costura – o designer é o primeiro negro americano convidado a integrar o line-up. Para isso, ele passou por um intenso processo de aprovação, construiu ateliês em Los Angeles, trabalhou de perto com figurinistas de Hollywood, contratou costureira e enviava seus croquis constantemente para a Federation de la Haute Couture et de la Mode, em Paris.

Tudo isso ao mesmo tempo em que era acompanhado por uma equipe cinematográfica que documentou o processo da criação de uma coleção de alta-costura e entre viagens à Boston, para trabalhar em sua primeira coleção como diretor criativo da Reebok, que será lançada em 2022.

E foram todos esses obstáculos que não fizeram Jean-Raymond desanimar quando quinta-feira, data em que o desfile realmente aconteceria, a apresentação precisou ser cancelada por causa de fortes chuvas que atingiram Nova York. “A federação realmente entendeu o que estávamos passando”, conta o estilista, em entrevista ao WWD, sobre a decisão de adiar o desfile.

“Não havia a opção de não apresentarmos essa coleção, trabalhamos muito duro nos últimos quatro meses. Com alta-costura, não há limites… No ready-to-wear, pensamos no que vai vender, ficar bonito no tapete vermelho e todos esses outros fatores que enfraquecem a visão. Com isso, podemos criar um novo jeito legal de nos expressarmos”, acrescenta.

Os convidados foram recebidos pela música de um quarteto de cordas e, antes do desfile começar, Elaine Brown, escritora, cantora e única líder mulher dos Panteras Negras, fez um discurso sobre libertação. “Precisamos voltar para o trem da liberdade. Ressuscitar a Pantera e o espírito da Pantera. Precisamos nos organizar… Todo o poder o povo”, declamou no evento.

Usando pesquisas feitas na Biblioteca do Congresso e no Black Inventor Online Museum, o designer se inspirou nas criações de inventores negros para criar suas peças. Entre os modelos, destacam-se peças que retratam o sinal de trânsito (patenteado por Garrett Morgan), o ar-condicionado (uma entre várias invenções na área de refrigeração de Frederick Jones) e um pote de manteiga de amendoim (George Washington Carver criou dezenas de uso para o amendoim).

Em um primeiro momento, Jean-Raymond pensou em retratar essas invenções com estampas, mas isnpirado no universo da Pixar, “Sesame Street” e nos mascotes da Disney e da Universal Studios, as inspirações ganharam versões em 3D – e encantaram os fashionistas e ativistas.

“A mensagem é a mesma: estou sempre revertendo o apagamento dos negros na conversa mais ampla em torno da diáspora africana, mas precisamos evoluir essa conversa cada vez mais. Queria que a coleção fosse nova, imperfeita e divertida. E algumas peças são super-hilárias para mim, como a de pasta de amendoim”, finaliza o diretor criativo da Pyer Moss.

Veja na galeria os 25 looks apresentados: