R. Rosner - Verão 2014 - Foto: Ag. Fotosite
R. Rosner – Verão 2014 – Foto: Ag. Fotosite

por Sylvain Justum

“Gosto do sob medida, de criar junto com a cliente”, dizia Rodrigo Rosner no backstage momentos antes de seu desfile de verão 2014.

E para expor as ideias que discute com sua consumidora, ele decidiu inventar suas próprias princesas, imaginárias ou não. A candura de Branca de Neve e Cinderela é desmistificada com fortes doses de melancolia e sofrimento, como se as moças tivessem levado o fora de seus príncipes encantados.

A evolução de ingenuidade para o drama é evidente na evolução da cartela. Do total white para o negro total, passando pelo vermelho sangue. As primeiras entradas, imaculadas e cheias de volumes em camadas, peplums exagerados e saiotes de tule, alternam rigidez e movimentos esvoaçantes, deixando revelar a dualidade da silhueta.

Por debaixo de todas as camadas e transparências vaporosas, existe um “segundo vestido”, de curvas acentuadas e comprimento pelos joelhos. Tubinhos decorados, bordados de rendas e de cristais tchecos, mais contemporâneos, deixam clara a preocupação do estilista com a customização de seus vestidos anunciada no camarim: tiram-se os volumes, babados e excessos de tecido acoplados nas costas ou nas laterais dos looks e voilà, uma ideia bem diferente e fresquinha pode se adaptar aos desejos e personalidade das clientes.

Rosner sabe das coisas e conhece muito bem seu métier. Grande mérito.