Por Sylvain Justum

A Salinas comemora 30 anos reforçando suas raízes e a vocação para misturar ingredientes bem brasileiros na fórmula de sua moda praia.

E, em ano de celebração, a ordem é caprichar ainda mais. Tome então uma explosão de cores, colagem de estampas, modelagens consagradas nas areias do nosso litoral, como os lacinhos na lateral dos biquínis ou ainda os maiôs engana-mamãe, e uma profusão de acessórios divertidos.

Maxipulseiras, balagandãs, penduricalhos e chapéus-origami feitos a partir das clássicas sacolas de feira aliviaram o peso do andar das meninas – um pouco prejudicadas pela pesada plataforma de madeira e tiras de plástico, é bem verdade.

E, se a ideia era olhar para nossas origens, inevitável pensar em africanismos, certo? Eles pipocaram, sim, na passarela, e tiveram seu melhor momento no belo maiô laranja e preto de Fabiana Mayer, já na segunda metade da apresentação. Tim tim!