Desfile Samuel Cirnansck/Foto: Márcio Madeira

Por Sylvain Justum

Ir a um desfile de Samuel Cirnansck é esperar o excesso. Excesso de rendas, de volumes, de aplicações, de teatralidade. Neste inverno, está tudo ali. Para deleite de uma clientela fiel, que consome seus vestidos de olho justamente no impacto que o over pode trazer numa festa.

Samuel conta que quis diminuir a fronteira entre jóias e roupas, que experimentou modelagens inusitadas e caprichou na técnica de moulage. O resultado está nos vestidos longos e corseletados, volumosos graças à profusão de pele falsa nas barras e caudas, outros bordados minuciosamente com milhares de cristais, tudo trabalhado em organza, gazar, musseline e tules. E rendas, muitas rendas. Ficam lindas nos brancos do início, dando idéia, talvez, para alguma noiva mais ousada à procura do vestido ideal.  Chegam em versão dark, quando entram os pretos e explodem em brilho nos dourados, feitos para mulheres sem a menor vergonha de ser o centro das atenções.

MELHOR LOOK: O vestido preto corseletado, longo, onde funciona melhor o efeito de faux fur proposto pelo estilista

BELEZA: Lindos os cílios brancos e compridos do início do desfile. Deram efeito de borboleta às princesas de Samuel